quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Os Black Blocs franceses (nova face da extrema-direita na França). Uma alerta para o caso brasileiro

A derrota política do "Jour de colère" (Dia de Fúria)

Com 17 mil participantes registrados pela polícia pelo período da tarde, a manifestação do "Dia da Raiva" (jour de colère), domingo, 26 de janeiro, em Paris, marcou os espíritos. Esta é a primeira vez em muitos anos que um grupo de extrema-direita estoura e mobiliza a todos. Esta é ainda a primeira vez em muitos anos que os slogans antissemitas e negacionistas são cantados de maneira totalmente explícita em um desfile dessa magnitude. Além das palavras de ordem violentas visando jornalistas e homossexuais.

Esta é a primeira vez, finalmente, que a ultradireita com seus elementos mais radicais e mais racistas, coabitam sem choque o mesmo cortejo (manifestação) com uma maioria de ativistas mistos, a partir da "Dieudosphère" (caso Dieudonné) sob a bandeira e palavra de ordem da "liberdade de expressão". No entanto, o que à primeira vista pode parecer como um sucesso desse movimento, assemelha-se mais a uma derrota política. O que é que essa mobilização? Devemos vê-la como uma mutação da extrema-direita?

A manifestação foi organizada pelo "Primavera Francesa", 'rótulo' sob o qual se reuniram, por quase um ano, os elementos anti-casamento (gay) mais radicais entre todos. O objetivo era "coagular a raiva" contra o poder, dizem eles: "que não escuta o povo, que bombardeia os contribuintes, que enterra nosso exército, libera delinquentes, desorientando nossos filhos, perverte nosso sistema escolar, reduz a nossa liberdade, assassina a nossa identidade, destruindo nossas famílias".

A "Primavera Francesa" é, de fato, estruturada pela Action Française (Ação Francesa) (AF, Maurrasianos), que garante toda a logística e cujas instalações são utilizadas como base de retaguarda. Antirrepublicana e antiparlamentarista assumida, a AF depois de ano de todas as ações, esta é a mais intensa/violenta e que vai de vento em popa.

O desfile foi apoiado por uma miríade de associações, por uma parte fantasmagórica ou diretamente ligada à Primavera francesa como o coletivo "Holanda liberta" de David van Helmerick, por um dos responsáveis da PF, o coletivo 'Advogados livres' de Frédéric Pichon ou o Acampamento para todos. Mas também formada por vários micro-grupos anti-impostos.

Um desfile politicamente marcado

"Quando há um incêndio em casa, você não chama pelo bombeiro?", disse Beatrice Bourges algum tempo antes do desfile, porta-voz do Primavera Francesa e figura central deste "dia de fúria". Na verdade, esta famosa manifestação tornou-se um ponto de encontro e de junção de todo movimento extremista. E só.

Poucas famílias, quase sem crianças, uma atmosfera agressiva, tensa e pesado. E o desejo desses ativistas, alguns dos quais não hesitaram em referir-se a Ucrânia, para a batalha, como fizeram em 2013 durante a procissão para o Palácio dos Inválidos (Place des Invalides).

Os católicos fundamentalistas (integristas) de Civitas trouxeram com eles, a partir de Lyon, ativistas do Gud Lyon (próximos do movimento "filo-nazista" 'Terra e Povo') e hooligans. A Renovação Francesa, o Gud Paris, os anciãos das Juventudes nacionalistas e o Ouvre Française (Trabalho francês) - duas organizações dissolvidas neste verão - também estavam presentes.

Se o FN (Front National) não fez parte deste evento e nenhum dos seus diretores esteve lá, alguém próximo de Marine Le Pen, Axel Loustau, fez parte, como foi observado pelo Mediapart.

Dieudonné conclamou seus apoiadores a participar do desfile. E é de se entender. Seu ajudante, o polemista Alain Soral, chefe do "Igualdade e reconciliação", que agora se afirma como "nacional-socialista", também fez a viagem com um grupo de cerca de 200 pessoas. Alguns deles acenaram com abacaxis - um sinal de apoio a Dieudonné e sua sua canção "Shoahnanas".

O nascimento de um "Black Brown" (Black Blocs)?

Em sua edição de 23 de janeiro, o semana de extrema-direita 'Minuto', previu para este "dia de fúria" a formação de um "Block Bloc de direita", composto "de hooligan, de patriotas e de conservadores chateados" que têm em comum "a idéia de que não podem ser ouvidos por serem sábios e criticarem a política 'rosa' do 'Movimento para todos". Aparentemente, o Minuto estava bem informado porque no final da procissão havia várias dezenas de pessoas, com capuz, rosto coberto com lenços e formando um bloco. Devo dizer que os nacionalistas autônomos chamaram suas tropas para participar do desfile.

Vídeo difundido em redes sociais

Na Praça Vauban, após a dispersão, eles entraram em confronto com forças de segurança com o apoio de jovens pró-Dieudonné. Ao todo, cerca de trezentas pessoas. Algo inédito pois ambos os grupos não eram sociologicamente ou politicamente similares. Havia poucos pontos de concordância entre eles: a "luta" e o ódio aos judeus.

A fuga dos "moderados", o resultado (e fracasso) político do "dia de fúria"

À face deste acontecimento, a violência da noite após o fato teve um efeito relevante. Quem em 2013 criticou a "repressão" no final do "Manifestação para todos", hoje não tem palavras para condenar o "dia da ira". Isto é bem dito por Ivan Rioufol, colunista do 'Figaro' (jornal francês), que resume bem este estado de espírito. O "Dia da Ira" revelou a cara feia de uma França fascista. Ele é um exemplo a não ser seguido", escreve notavelmente o jornalista em uma nota.

Pois não é bem a derrota política do "dia de fúria". Ele apareceu para o que sempre foi: um desfile barato da extrema-direita radical e não o chamado movimento apolítico e independente que ele alegava encarnar.

***
Nota: Cerca de 250 detenções.
Cerca de 250 pessoas foram presas na noite de domingo após a dispersão, 224 por "participação de grupo armado" e "violência contra agentes depositários da polícia." A Ação francesa (Action Française) disse em um comunicado que teve 15 militantes presos.


Fonte: Droite(s) extrême(s) (Blog do Le Monde, França)
http://droites-extremes.blog.lemonde.fr/2014/01/27/la-defaite-politique-de-jour-de-colere/#xtor=RSS-32280322
Título original: La défaite politique de « Jour de colère »
Tradução: Roberto Lucena

Observação: o post não foi publicado com o título original que consta logo no início do post (a tradução, obviamente) pra ressaltar a conotação autoritária, antidemocrática e fascista desses grupos denominados Black Blocs que ainda ficam com essa conversa mole de dizerem que são "táticas" querendo dissuadir a crítica sobre o componente autoritário e sem rumo do grupo.

A observação é referente aos grupos no Brasil, traduzi o post pra mostrar o tipo de ligação que vários deles possuem em outros países e no Brasil não é diferente, o quebra-quebra intencional "niilista" é um componente da extrema-direita, o discurso deles é falacioso e com objetivo claro de ataque à democracia não consolidada do país por conta da profunda ignorância (mentalidade) e comportamento autoritário da cultura ibérica que sempre norteou o país, apesar de que as manifestações mais significativas desses bandos sempre ocorrem em duas cidades praticamente pra mídia usar como "espetáculo" e passar a ideia de "caos" manipulando imagens, Rio (capital) e São Paulo.

Na maioria dos estados e cidades do país esse "movimento" é inexpressivo ou insignificante, ou seja, não se trata de um "movimento nacional" como a grande mídia anda matraqueando e sim local/regional que a mídia está tratando como "fenômeno nacional" pra tentar 'inflar' ânimos em todo o país. Politicagem em seu mais baixo nível e grau de fanatismo.

Há outra bandeira reclamada por esses "Black Blocs" (até o nome é ridículo) no Brasil que é o de se dizerem "anarquista", basicamente debochando da inteligência alheia. Um grupo aparece do nada pegando carona nas manifestações de junho de 2013, sem pauta política clara, sem formação anterior, e querem que acredite que não se trata de algo armado com interesses escusos e duvidosos? ...

O anarquismo praticado por esses bandos, se de fato há algum, é de um "niilismo" (sem sentido) atroz. Querem derrubar o Estado e pôr o que no lugar? Acham que vão derrubar o estado com máscaras e ações de teatro pra mídia pautar politicamente? É algo tão primitivo e infantil que espanta o grau de estupidez desses bandos (se de fato pensam isso, eu particularmente não acredito). O que pode acontecer é provocarem o acionamento do aparato de repressão do Estado que, além de força pra conter isso, vai agir com brutalidade. Ou seja ,no fundo o que esses caras querem é provocar uma situação grotesca no país tentando empurrar a população pras ruas. Atitude canalha e repulsiva.

Já fiz um post aqui antes sobre o problema das manifestações quando grupos de extrema-direita com "slogan" nacionalista (com um discurso vazio e ufanista herdeiro da ditadura civil-militar brasileira) de ódio quebrando e tocando o terror no Rio, as coisas só vão confirmando o que muita gente suspeitava, que há interesses obscuros desses bandos que podem ter uma articulação estrangeira pra desestabilizar a democracia no país, como fizeram no período anterior a 1964. E quem costuma fazer isso são serviços de inteligência de potências mais as elites sorrateiras locais que nunca deram a mínima pra democracia até porque não gostam disso apesar de dizerem que "gostam".

Porque afirmo que a mídia está incitando isso: porque não consigo conceber que emissoras de TV, jornais e portais de notícias não tenham análise crítica (ou conhecimento) suficiente pra saber do que se passa, se não possuem é atestado cabal de que são um bando de ignorantes, mas não acredito nessa hipótese, a omissão ou vista grossa aos detalhes por trás desses bandos é um ato político calculado (que pode degringolar), intencional. Se se deforma a informação é porque está ocorrendo manipulação de informação.

Com a internet hoje é muito difícil, e com boa informação (trouxe o texto pra isso, embora a tradução não seja fácil pois não domino o idioma do texto, mas consigo traduzir como mais línguas neolatinas), mas muito difícil mesmo distorcer a realidade e os fatos.

Não se trata de Teoria da Conspiração o assunto aqui citado pois isso não é algo incomum, nunca foi, antecipo-me a qualquer distorção e manipulação de "revis" sobre o comentário pois eles têm o costume de fazer isso como já vi algumas vezes. O fato descrito já ocorreu em outros períodos e muitos países, infiltração de "baderneiros" pra estimular o caos, só que muitas vezes os ditos "revis" (revimanés) delirando no antissemitismo comum deles e crentes em teorias esdrúxulas e racistas, ficam falando de coisas absurdas e conspirações surreais (Illuminati, Nova Ordem Mundial, ETs, OVNIS, reptlianos, rs), movidos por crenças e pensamentos turvos, obviamente sempre pondo "judeus" em tudo (porque é o objeto da obsessão racista e doente deles) e um pensamento mágico atroz.

Isso acaba tornando o assunto delicado quando não deveria ser. Inflar grupos opositores em países com regimes democráticos não sólidos/consolidados é um gesto não incomum de superpotências, que operam com elites golpistas locais pra colocar governos alinhados a suas políticas contra a população do país (a maioria). E há uma certa omissão do Estado brasileiro em desbaratar esses bandos, expor quem está por trás deles, pois deveriam fazê-lo e não estão agindo como deveria (se antecipando aos atos que acabam por provocar terrorismo psicológico na população ou "sensação de caos", mesmo que seja só um "espetáculo" sem rumo).

Meios pra isso o governo federal possui, então está na hora de agir e dar o nome aos bois (checar e dizer quem está por trás disso e enquadrá-los criminalmente por atentado).

A quem achar que o assunto não é tema do blog, o blog é sobre Holocausto mas também sobre extrema-direita, basta ler os posts, portanto o assunto está totalmente no escopo do blog, e mais ainda pelo fato de que como cidadão não deixarei que um bando de imbecis ou de udenistas salafrários (com interesses obscuros) destruam o que foi conquistado a duras penas, a democracia brasileira, que mesmo imperfeita é melhor que não ter nenhuma. Não há diálogo com fascistas e golpistas.

P.S. eu lerei mais tarde o texto da observação e posso editar e reduzir o texto (aliás, já fiz isso mas posso fazer novamente). É que de fato fico irritado com essa passividade da sociedade civil em relação a este tipo de ataque por conta do sectarismo e fanatismo fomentado por parte da mídia do país, e a gente acaba desabafando e aumentando o texto com xingamentos a esses grupos. Não costumo colocar ou citar discussões sobre polarização política no país, mas sinceramente não dá pra simplesmente fazer "vista grossa" ao fato ou se omitir, ultrapassaram a "linha vermelha" (da tolerância) nesse último "protesto" (com o mote de "Copa do Mundo", sendo que o alvo não é esse, esse discurso moralista treslouco e jeca já passou dos limites) com violência contra cidadãos comuns nas ruas. Ou seja, basta.

Descobertas cartas íntimas de um dos mentores do Holocausto (Himmler)

Descobertas cartas íntimas de um dos mentores do Holocausto
Nicolau Ferreira. 26/01/2014 - 19:21

Himmler, em primeiro plano, ao lado
de Adolf Hitler Corbis/Reuters
Cineasta israelita detém cartas, fotografias e diários da família de Heinrich Himmler a que um semanário alemão teve acesso. Documentário sobre Himmler estreia-se a 9 de Fevereiro, na 64.ª edição do Festival de Cinema de Berlim.

A vida privada de uma das figuras de topo do regime nazi vai ser observada à lupa nas próximas semanas. Cartas, fotografias e diários de Heinrich Himmler — um dos orquestradores do Holocausto, responsável pela morte de cerca de seis milhões de judeus durante a II Guerra Mundial (1939-1945) — e da sua mulher, Margarete Himmler, vieram a público. O comandante das SS vai ser revisto, a partir deste espólio, num documentário israelita a estrear no Festival de Cinema de Berlim a 9 de Fevereiro. Um semanário alemão começou neste domingo a lançar uma série de artigos sobre a figura histórica.

A partir do material, é possível conhecer detalhes da vida e do relacionamento entre Heinrich e Margarete Himmler, os passeios ao campo que faziam já em plena guerra ou as opiniões antissemitas que partilhavam. “Estou a caminho de Auschwitz. Beijos do teu Heini”, lê-se numa das cartas, citada pelo jornal britânico The Guardian. O tom cândido do excerto contrasta com os acontecimentos que tiveram lugar no campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, onde 1,1 milhões de pessoas foram mortas, a maioria judeus, a maioria em câmaras de gás.

Heinrich Himmler e Margarete Boden conheceram-se em 1927, ano em que Himmler fazia 27 anos — Margarete era sete anos mais velha. Em 1928 casaram-se. Quando se conheceram, Himmler já pertencia ao Partido Nazi desde 1923. Em 1933, quando se iniciou o III Reich de Adolf Hitler, Himmler era comandante das SS, a polícia política nazi, cargo que manteve até 1945, quando pediu a Hitler para se render. O alemão acabou por se suicidar a 23 de Maio de 1945 em Luneburgo, na Alemanha, já depois de ter sido capturado pelas forças britânicas.

Quanto ao percurso das mais de 70 cartas, um diário, fotografias, livros de receitas e outras notas agora conhecidas, sabe-se menos.

Segundo o semanário alemão Welt am Sonntag — que neste domingo publicou o primeiro de oito longos artigos sobre Himmler e os novos documentos —, dois soldados norte-americanos encontraram o material em Maio de 1945 na casa do comandante nazi na Baviera. Décadas depois, no início dos anos de 1980, o material surgiu nas mãos de Chaim Rosenthal, um sobrevivente do Holocausto que vivia em Israel.

Não se sabe como Rosenthal obteve este material. Mas a polêmica que se instalou em 1983 devido à publicação de Os diários de Hitler pela revista alemã Stern e pelo jornal britânico The Sunday Times — mais tarde soube-se que os diários eram falsos — ofuscou os documentos de Himmler.

Em 2007, o pai de Vanessa Lapa, uma cineasta israelita, comprou o material a Chaim Rosenthal, oferecendo-o depois à filha. A cineasta produziu com este espólio um documentário que vai ser estreado mundialmente na Berlinale, o festival de cinema de Berlim. Vanessa Lapa partilhou ainda o material com o jornal alemão Welt am Sonntag, que confirmou a autenticidade dos documentos, enviando-os para historiadores e especialistas alemães sobre o período nazi.

Um casal malvado

A pilha de documentos está escondida num cofre de um banco em Tel Aviv. Mas o pouco que já se conhece do seu conteúdo ajuda a pintar o quadro de uma família antissemita. “Todo estes negócios dos judeus, quando é que esta gente se vai embora para que nós possamos apreciar as nossas vidas?”, lê-se no diário de Margarete Himmler, citado pelo The Guardian, numa entrada em Novembro de 1938, um ano antes da guerra começar.

“Minha pobre querida, que tem de discutir com aqueles miseráveis judeus por causa de dinheiro”, escreve o marido, a 28 de Abril de 1928, em plena República de Weimar, antes da Grande Depressão. “Odeio e irei sempre odiar o sistema de Berlim, que nunca te irá estrangular, a ti, mulher pura e virtuosa”, escreveu Himmler em Dezembro de 1927. “Berlim está contaminado. Toda a gente só fala de dinheiro”, escreveria a mulher, um ano mais tarde.

Nos documentos, Margarete descreveu o marido como “um homem mau com um coração duro e rude”, mas que era “uma mulher de sorte por ter um bom homem tão mau que ama tanto a sua malvada mulher como ela o ama a ele”, volta a citar o The Guardian.

“Esta colecção é importante porque a questão de como o Holocausto foi humanamente possível continua no ar desde o final da guerra”, explica Haim Gertner à Associated Press. Gertner é diretor da Divisão de Arquivos da Yad Vashem, que contém uma das maiores coleções de documentos sobre o Holocausto. Apesar disso, para o especialista, nem os documentos privados de uma das figuras mais importantes na hierarquia do Partido Nazi ajudariam a compreender completamente aquele acontecimento.

No entanto, para Haim Gardner estes documento privados ajudam a comparar dois lados de Himmler: “Alguém que vive em privado uma vida aparentemente normal, ao mesmo tempo que é o líder público de um assassinato em massa”.

Fonte: Público (Portugal)
http://www.publico.pt/cultura/noticia/descobertas-cartas-intimas-de-um-dos-mentores-do-holocausto-1621191

Observação: fiz algumas correções (não sei se todas) em palavras porque não estão no novo acordo ortográfico em vigor.

domingo, 26 de janeiro de 2014

"Mein Kampf" de Hitler será reeditado na Alemanha

O Instituto de História Contemporânea de Munique está a preparar uma nova edição comentada do livro "Mein Kampf", de Adolf Hitler. A polêmica gerada em torno do projeto não é nova, mas a ideia vai mesmo ser concretizada, segundo os decisores políticos.

Os direitos autorais da obra fundamental do ditador nazi estavam, desde 1948, nas mãos do ministério das Finanças da Baviera, assim como todos os bens que pertenciam ao Führer.

Tendo em conta que os direitos sobre o livro ("Minha Luta", em tradução livre) expiram a 31 de dezembro de 2015, e de modo a evitar a publicação de novas edições financiadas pela extrema direita, o instituto de Munique conseguiu, em 2012, obter uma autorização do governo bávaro para publicar uma edição comentada do livro.

Segundo conta o jornal El País, o ambicioso projeto do Instituto esteve quase a fracassar em dezembro do ano passado quando a chefe do Executivo bávaro, Christine Haderthauer, anunciou que o governo do Estado continuaria a impedir a publicação do famoso livro, mesmo depois de caducarem os direitos autorais. "A nossa posição é de que será preciso deter também o projeto do Instituto porque não é tarefa do Estado difundir propaganda nazi", defendeu a chefe do gabinete bávaro.

No entanto, na última quarta-feira, o ministro da Cultura da Baviera, Ludwig Spaenle, anunciou, depois de um polêmico debate no parlamento regional, que Munique renunciaria a novas medidas judiciais contra a reedição, pelo instituto, de "Mein Kampf".

"Não se pode atentar contra a liberdade científica", sustentou o ministro bávaro. "[o instituto] pode publicar uma edição sob sua própria responsabilidade", acrescentou.

O livro, uma obra fundamental sobre os ideais do nacional-socialismo, foi concluído pelo autor em 1925. No último meio século, a reprodução e venda do volume estiveram proibidos na Alemanha. No final da década de setenta, uma decisão do Supremo Tribunal da então Alemanha Federal autorizou a venda, mas apenas a antiquários. Atualmente, com a difusão dos meios de edição digital não será fácil impedir a circulação daquele instrumento de propaganda nazi.

Fonte: Diário Digital
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=681357

Observações:

1. é importante uma publicação comentada por historiadores deste livro, é uma forma de criar uma publicação com conteúdo em contraponto à edição original que conta só com os delírios racistas do cabo da Bavária, com conteúdo pra lá de duvidoso a não ser exibir a cretinice megalomaníaca e obsessão racista dele, fora pencas de erros históricos de todo tipo.

Seria um erro grosseiro e estúpido do Estado da Bavária proibir a publicação de um livro comentado por historiadores (esta sim uma publicação interessante) ignorando que perderá o controle da publicação do livro. Se é que a tem pois dá pra encontrar pilhas de cópias deste livro na internet (em vários idiomas). Castrar a ideia genial do Instituto é no mínimo tolice ou preciosismo por parte do Estado da Bavária que acaba por criar um ar de "mistério" sobre o livro e um certo tabu, e tabus costumam atrair mais ainda gente sem formação histórica/política alguma que fará uma leitura literal do original deste livro sem as contextualizações dos historiadores, por curiosidade mórbida ou idiota, criando um público idiotizado em torno do "simbolismo" por conta desse excesso de "temor" com uma publicação comentada, edição que poderia ter saído antes mesmo da pressão em torno do livro por conta dele cair em domínio público.

2. a mídia, mais precisamente a grande mídia brasileira (jornalões, portais de notícias e TV aberta) constantemente cria mistificações e sensacionalismo barato sobre esse livro e o tema nazismo e Holocausto, o que acaba despertando a curiosidade (na maioria dos casos, estúpida) de um público leigo sem formação política alguma e que mal lê. Isto pode vir a ajudar na proliferação de doutrinas racistas.

Colocam o mercantilismo barato da notícia pela notícia acima da questão ética de publicarem um texto mais equilibrado e de fato informativo sobre o assunto. Esta questão ficará pra outro tópico a respeito do problema da mídia divulgando baboseiras sobre estes temas delicados como genocídio, nazismo e afins. Como dá pra notar, eu não sou muito "fã" da mídia brasileira (é uma generalização obviamente, alguns ainda se salvam, mas poucos...), que parece agir como um partido político do que algo voltado ao jornalismo.

Pra ilustrar o problema: esta notícia saiu há pouco tempo: E-book Mein Kampf torna-se um best-seller na Amazon. O que há de relevante na matéria? Basicamente, nada. Mas o que tem de gente "curiosa" que pipoca quando lê o nome Hitler, é demais. É mesmo necessário "saber" pela Amazon a quantidade de downloads pra se ter uma ideia de que este livro é muito baixado? E desde quando este é o pior livro com doutrina racista? Os Protocolos dos Sábios de Sião é bem pior. E ainda pior são as conclusões tiradas do "fato", lembra e muito a "história" dos 150 mil neonazis no Brasil (ler texto com entrevista do historiador René Gertz), número levantado de forma obscura pois só é possível saber disso com ordem judicial pra saber o que é baixado no país via provedores ou cada site divulgar os números.

A título de curiosidade: o que pinta de perfil no Facebook postando besteira sobre nazismo em grupos de segunda guerra, francamente, a gente fica enojado ou de saco cheio, e não é nem com o conteúdo em si e sim com a futilidade e banalidade como estas pessoas tratam essas questões, a falta de interesse em ler um livro (e ainda ficam com raiva quando a gente sugere, por puro recalque dessas pessoas, pois acham que quem sugere está "disputando" conhecimento) e por aí vai.

3. tentarei, mas não prometo, procurar depois esta matéria do El País (Espanha) pra ver se está mais completa. Tem mais outro assunto relacionado ao Mein Kampf que fica prum próximo post, só pra reforçar e mostrar o quanto estas matérias sensacionalistas são toscas.

4. não se deve tratar este tipo de assunto com histeria, tabu, pânico e sensacionalismo e sim de forma racional e objetiva, a quantidade de atrocidades do evento segunda guerra por si só se encarrega de gerar uma consciência crítica e humanista nas pessoas, a não ser que a pessoa seja um sociopata. Caso você seja uma pessoa que quer transformar um sociopata em humanista, sinto lhe informar: você está sendo cretino e pouco sensato (como se diz no popular: você está gastando vela com defunto ruim). Digo isso pois já vi gente fazendo isso, tentando dialogar cordialmente com esses fascistas achando que vão "humanizar" postura patológica de alguns deles, o que acaba sendo interpretado por eles como um ato de covardia ou mesmo provocação por parte de quem age assim.

Histeria e pânico não educam ninguém além de parir gente histérica, surtada, delirante, insensata e raivosa.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

(Berlim) Marzahn. Campo de concentração cigano das Olimpíadas de Berlim (1936)

A "limpa" dos ciganos da Alemanha nas Olimpíadas de 1936.

Campo de Concentração cigano de Marzahn
"A polícia não estava passiva enquanto as leis raciais de restrição a casamento e relações sexuais entre ciganos e alemães estavam sendo promulgadas ... Os Sinti e Roma, tradicionalmente, tinham sido vítimas de assédio principalmente na Bavária depois de 1933, no entanto, o assédio direto tornou-se sistemático com a expulsão de ciganos estrangeiros do país, e com outras pessoas enquadradas como vagabundos, criminosos habituais e vários outros tipos de antissociais. Usando os Jogos Olímpicos como pretexto, a polícia de Berlim, em maio de 1936, prendeu centenas de ciganos e transferiram famílias inteiras com suas carroças, cavalos e outros pertences para o chamado Marzahn "lugar de descanso", que ficava próximo de um depósito de lixo e de um cemitério do outro lado. Logo o lugar inteiro foi fechado com arame farpado. Um campo de concentração cigano de fato então havia sido criado num subúrbio de Berlim. foi a partir Marzahn, e de outros lugares semelhantes criados em pouco tempo próximos a outras cidades alemãs, que alguns anos mais tarde milhares de Sinti e Roma foram enviados para os locais de extermínio no leste". (Friedlaender, pág. 205)

Extraído do livro: Nazi Germany and the Jews: (Volume One). The Years of Persecution, 1933-1939. New York: HarperCollins, 1997; Saul Friedlaender

Última modificação: 1997/06/04

Fonte: Nizkor
http://www.nizkor.org/ftp.cgi/camps/ftp.cgi?camps//marzahn//marzahn-established
Tradução: Roberto Lucena

Ver mais:
Memorial to the Victims of the Marzahn "Gypsy Camp"

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Ministério Público de Santos denuncia homem por manter site 'nazista'

Ministério Público de Santos denuncia homem por manter site 'nazista'
Gabriela Lousada

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria da República em Santos, denunciou um homem que incentivava a discriminação contra nordestinos, homossexuais e judeus na internet. Entre agosto de 2008 e abril de 2010, o responsável pelo site, identificado como um eletricista, postou conteúdo preconceituoso na forma de expressões e ilustrações discriminatórias e de cunho neonazista.

A denúncia, feita nesta quarta-feira, é de autoria do procurador da República Thiago Lacerda Nobre. De acordo com a lei, o crime de racismo prevê pena de dois a cinco anos de prisão e multa.

Em nota, a Procuradoria da República no Estado de São Paulo informa que conseguiu, durante as investigações, rastrear o responsável pelo e-mail de contato do site e assim identificar o denunciado.

Ainda de acordo com a Procuradoria, embora o homem não tenha assumido a autoria do crime, análises técnicas comprovaram que acessos ao e-mail ocorreram em locais onde o denunciado costumava acessar a internet, em horários compatíveis com seus acessos.

O site permanece no ar, mas o MP já solicitou
para a Justiça Federal a remoção da página da internet.

Conteúdo

No topo do site é possível encontrar a inscrição "Minha honra chama-se lealdade", do alemão "Meine Ehre heißt Treue", lema da Schutzstaffel (organização paramilitar ligada ao partido nazista e a Adolf Hitler).

No portal estavam disponíveis ainda links para download de livros nazistas e de , como o "Minha Luta", da autoria de Adolf Hitler, e "O Envolvimento Judaico na Destruição da Solidariedade Racial Branca", de Stanley Hornbeck.

Há ainda publicações de caráter revisionista, que negam o holocausto. A página da internet inclui ainda panfletos virtuais contra a migração, com clara alusão a pessoas de origem nordestina. O site ainda vendia camisetas, chaveiros e outros objetos do grupo do qual o eletricista participava.

O site permanece no ar, mas o Ministério Público já solicitou para a Justiça Federal a remoção da página da internet.

Fonte: A Tribuna.com.br
http://www.atribuna.com.br/cidades/minist%C3%A9rio-p%C3%BAblico-de-santos-denuncia-homem-por-manter-site-nazista-1.362002

Ver mais:
MPF em Santos denuncia responsável por site que incitava racismo e discriminação (Diário do Litoral)

Observação: comentarei depois mais detalhadamente pois novamente reforçarei meu ponto de vista sobre essa "questão regional" e o que há por trás disso (o mascaramento de preconceito étnico no país se valendo de expressões regionais). E o pior, muita gente que "crítica" (entre aspas) essas pessoas com este tipo preconceito reproduz o mesmo pensamento tortuoso com esses estereótipos, não aceitando que essa questão regional é uma construção recente (século XX) e que não é "algo natural" e tampouco antigo, falam como se isso sempre tivesse existido na História do Brasil o que é uma fraude completa. O comportamento de quem ataca esses bandos e fala com as pessoas repetindo a mesma crença de "hierarquia étnica" por detrás do discurso é no mínimo um comportamento contraditório e insustentável.

Se não comentar a questão aqui (pois textos muito longos acabam não sendo bem lidos), abro um post só pra isso. Nunca é demais repetir o assunto até a coisa ser assimilada pelo povo já que o ensino do país não cita e tampouco discute estas questões essenciais na formação política do país, o que acaba por formar gerações de pessoas idiotizadas, fúteis e alienadas, que não têm noção histórica alguma do país em que nasceram (a não ser que verifiquem sozinhos o assunto, coisa que a maioria absoluta NÃO FAZ).

Acho lamentável que os jornais não coloquem o nome do autor do site denunciado. No link, em "ver mais", na outra matéria há as iniciais do nome do indivíduo, E.C.A.. No print do vídeo acima se encontra um debate ocorrido na TV Bandeirantes em 1989 (ano da primeira eleição direta para presidente no Brasil depois de 21 anos de ditadura), com gente de extrema-direita que nega o Holocausto, mais precisamente, dois integralistas e um cidadão de outro agrupamento de extrema-direita "nacionalista" idólatra de Hitler, suponho que extinto.

O vídeo se encontra mutilado/cortado e editado para colocar os comentários do finado S.E. Castan debochando das contradições de uma das pessoas que participou do debate. Por sinal acho que a pessoa deveria comentar isto e pôr por terra de vez a distorção feita pelo S.E. Castan. A gravação do vídeo foi feita em fita VHS, com imagem não muito bem conservada (a imagem esverdeada se deve por isso). Nunca colocaram a edição inteira, sem cortes, deste debate.

Espero que o Ministério Público também verifique os demais vídeos com cópias deste debate mutilado em contas no Youtube, há muita coisa "sinistra" (racista e de apologia) nessas contas, isto se os donos delas não as apagarem antes com medo da justiça. Nessas horas se vê a "valentia" dessa 'moçada', "ah, não serei preso nunca, a justiça não fará nada"... não é bem isso que vem acontecendo, mesmo que infelizmente demore.

Não é muito bom colocar opiniões ou comentários depois de textos de notícias, mas em virtude do viés das matérias (as que coloquei acima foram as melhores) e erros em tratar do assunto nazismo, extrema-direita e preconceito, infelizmente é necessário. Muitas matérias não fazem por mal (os erros), só que no mundo atual não dá mais pra tratar este tipo de assunto desta forma e infelizmente o Brasil não está preparado pra lidar com o problema, até pelo problema de leitura no país e como disse acima, do ensino deficiente que não aborda essas questões nem ensina o povo a pesquisar sozinho, a estimular as pessoas a aprenderem e buscarem conhecimento e não idiotices de "auto-ajuda fisológicas" como as que abundam na web no país.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

De cidadãos comuns a assassinos nazistas

Filme busca raízes do mal ao analisar a psique dos pelotões nazistas

Diretor Stefan Ruzowitzky tenta descobrir como jovens normais se tornam máquinas de matar, tomando como exemplo membros de tropas alemãs responsáveis por milhões de assassinatos de civis durante Segunda Guerra.


O cineasta austríaco Stefan Ruzowitzky (vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro em 2008 com Os falsários) ousa se equilibrar numa tênue linha entre a explicação e a acusação, tentando tirar lições para nossa sociedade atual.

Das radikal Böse ("O mal radical", em tradução livre) é uma espécie de ensaio cinematográfico documental, que se propõe desvendar como homens psiquicamente saudáveis podem se tornar verdadeiras máquinas de matar.

Neste caso, os objetos da pesquisa são os membros dos chamados Einsatzgruppen ("forças-tarefa") grupos paramilitares comandados pelas SS, que durante a Segunda Guerra assassinaram cerca 2 milhões de pessoas, na maioria judeus, nos territórios do Leste Europeu ocupados pela Alemanha.

O filme mostra entrevistas com historiadores e psicólogos, busca respostas em diários, trechos de cartas, registros de tribunal. Cenas históricas não são propriamente encenadas: a maior parte do tempo o espectador vê rostos de atores desconhecidos, em plano próximo, com as vozes sempre em off.

Experimentos reveladores

Recurso estilístico: atores em plano próximo e vozes em off
Ruzowitzky encena experimentos famosos, como o de aprisionamento de Stanford ou o de Milgram, em que os pesquisadores comportamentais testaram a disposição dos voluntários de torturar outras pessoas, supostamente obedecendo a uma ordem superior. A maioria dos participantes aceitou torturar o próximo, e o fato de as cenas serem apresentadas de forma estilizada e distanciada não contribui para amortecer o devastador efeito sobre o espectador.

O longa-metragem apresenta com explicitude incômoda aquilo que geralmente nos recusamos a admitir: os membros dos Einsatzgruppen tinham, sim, uma alternativa. Eles podiam perfeitamente ter recusado as ordens superiores para matar, sem correr risco de vida. Só arriscariam ser transferidos ou a ficar de fora na próxima rodada de promoções hierárquicas.

"A única restrição era quanto ao motivo", observa o historiador Andrei Angrick, que há anos pesquisa os Einsatzgruppen. "Era possível ao soldado argumentar que não fora para a frente de batalha para matar mulheres e crianças, mas sim para lutar. Entretanto, um argumento de fundo ideológico poderia se tornar um problema para ele." Quem se recusava a participar de esquadrões da morte era transferido para realizar outras tarefas. Angrick confirma que o soldado não precisava temer ser excluído nem punido.

Para os soldados no filme, a primeira participação num pelotão de fuzilamento representa grande sofrimento emocional. Em seguida, porém, processos de dinâmica de grupo e pressão social à conformidade passam a agir, aliviando a carga psicológica. A doutrinação propagandística faz o resto: no fim, o assassinato em massa passa a ser apenas um trabalho sujo que precisa ser feito, para que um objetivo maior seja alcançado.

"No Estado nazista, a utopia germânica era uma promessa de felicidade, de uma sociedade perfeita", explica Andrej Angrick. "Os judeus não foram mortos porque eram judeus, mas porque eles e as outras vítimas da perseguição nazista eram estorvos para se atingir um 'Jardim do Éden Ariano', segundo os nazistas. A guerra de extermínio foi uma guerra de utopia, em cujo final estava a promessa de salvação para todos os que participavam dela."

Cena de "Das radikal Böse"

Risco de "compreender demais"

O título do filme de Stefan Ruzowitzky provém de um texto do alemão Immanuel Kant, do final do século 18. De forma simplificada: nele o filósofo argumenta que a predisposição para violar normas e padrões morais repousa em cada um de nós.

O famoso psiquiatra nova-iorquino Robert Jay Lifton fala no filme do "potencial humano" para fazer o mal que está em todos. Mas e quando esse mal irrompe, quando ultrapassa as fronteiras do moralmente aceitável? Lifton vê a solução na cultura política, que forneceria ao indivíduo limites para a sua ação.

Cartaz do filme que estreou em janeiro na Alemanha
O historiador alemão Andrej Angrick discorda: para ele, a influência maior é do contexto social. "Acredito que, numa outra sociedade, 95% dos membros dos Einsatzgruppen não se tornariam criminosos extremos. Cultura política por si só não ajuda. São necessárias elites com boa formação."

Ele também considera fundamental o papel da Justiça. "O Estado deve não só ameaçar com punições, mas também fazer valer limites." Além disso, uma sociedade não deve cometer o erro de desenvolver o que ele chama de "cultura do diálogo compreensivo demais". Um exemplo disso seria a forma como se lida com os neonazistas na Alemanha. "A compreensão das circunstâncias sempre traz em si o risco da exoneração de culpa, do perdão e, com isso, também da aprovação."

O filme de Ruzowitzky não cai na armadilha de perdoar e aprovar. No final, fica claro que os assassinos não podem alegar falta de alternativa, nem delegar a culpa a um Estado nazista abstrato. Eles são, sim, pessoalmente responsáveis pelos seus atos.

Fonte: Deutsche Welle Brasil (Alemanha)
http://www.dw.de/filme-busca-ra%C3%ADzes-do-mal-ao-analisar-a-psique-dos-pelot%C3%B5es-nazistas/a-17370732

Título tirado da edição em espanhol: De ciudadanos corrientes a asesinos nazis
http://www.dw.de/de-ciudadanos-corrientes-a-asesinos-nazis/a-17370245

domingo, 19 de janeiro de 2014

Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina - parte 03

FATOS E NÚMEROS SOBRE A DITADURA MILITAR ARGENTINA:

- Entre 1976 e 1983 os militares assassinaram ao redor de 30 mil civis, entre eles, crianças e idosos, segundo estimativas de ONGs argentinas e organismos internacionais de defesa dos Direitos Humanos.

- Os militares afirmam que mataram “somente” 8 mil civis (segundo declarações do próprio general e ex-ditador Reynaldo Bignone, à TV francesa na virada do século, outros colegas seus dizem que não mataram pessoa alguma)

- O Estado argentino, com a volta da Democracia, recebeu pedidos para indenizações da parte de parentes de 10 mil desaparecidos.

- A Ditadura teria sido responsável pelo sequestro de 500 bebês, filhos das desaparecidas. Desde o final dos anos 70 as avós da Praça de Mayo localizaram e recuperaram a identidade de 109 dessas crianças, atualmente adultos.

- Em 1983 nos últimos meses da Ditadura, um relatório das próprias forças armadas argentinas indicou que a guerrilha e grupos terroristas de esquerda e cristãos nacionalistas teriam assassinado 900 pessoas. Diversos historiadores afirmaram ao longo dos anos que esse número está ligeiramente inflacionado, já que diversos dos mortos da lista militar teriam sido assassinados pelos próprios militares, na miríade de brigas internas (e, convenientemente, teriam colocado a culpa nos terroristas).

FRACASSOS ECONÔMICOS E MILITARES: Além de ter sido a mais sanguinária Ditadura foi um fracasso tanto na área militar como na esfera econômica.

Fiascos Militares:

- Entre 1976 e 1978 a Ditadura colocou quase a totalidade das Forças Armadas para perseguir uma guerrilha que já estava praticamente desmantelada desde antes do golpe, em 1975. Analistas militares destacam que este desvio das Forças Armadas argentinas (que havia iniciado no final dos anos 60 mas intensificou-se a partir do golpe) reduziu drasticamente o profissionalismo dos militares.

- Em 1978, a Junta Militar argentina levou o país a uma escalada armamentista contra o Chile. Em dezembro daquele ano, a invasão argentina do território chileno foi detida graças à intermediação papal. O custo da corrida armamentista colocou o país em graves problemas financeiros.

- Em 1982, perante uma crise social, perda de sustentabilidade política e problemas econômicos, o então ditador Leopoldo Fortunato Galtieri – famoso por seu intenso approach ao scotch – decidiu invadir as ilhas Malvinas para distrair a atenção da população. Resultado: após um breve período de combate, os oficiais do ditador renderam-se às tropas britânicas.

Desastres econômicos:

- Em sete anos de Ditadura, a dívida externa subiu de US$ 8 bilhões para US$ 45 bilhões.

- A inflação do governo civil derrubado pela Ditadura, que era considerada um índice “absurdo alto” pelos militares havia sido de 182% anual. Mas, este índice foi superado pela política econômica caótica da Ditadura, que encerrou sua administração com 343% anual.

- A pobreza disparou de 5% da população argentina para 28%

- A participação da indústria no PIB caiu de 37,5% para 25%, o que equivaleu a um retrocesso dos níveis dos anos 60.

- Além disso, a Ditadura criou uma ciranda financeira, conhecida como “la plata dulce”, ou, “o doce dinheiro”.

- Ao mesmo tempo em que tomavam medidas neoliberais, como a abertura irrestrita das importações, os militares continuavam mantendo imensas estruturas nas empresas estatais, que transformaram-se em cabides de emprego de generais, coronéis e seus parentes.

- Os militares também estatizaram US$ 15 bilhões de dívidas das principais empresas privadas do país (além das filiais argentinas de empresas estrangeiras).

- No meio desse caos econômico, os militares provocaram um déficit fiscal de 15% do PIB.

- A repressão provocou um êxodo de centenas de milhares de profissionais do país. Os militares, em cargos burocráticos, exacerbaram a corrupção na máquina estatal.

MILITARES E ESPORTE - Apesar das denúncias de graves violações aos Direitos Humanos a FIFA não cancelou a realização da Copa de 1978. Para a Ditadura, a vitória nesse evento esportivo foi um trunfo político, que lhe garantiu alta popularidade. Os argentinos exilados discutiam no exterior se deveriam torcer a favor ou contra a seleção. Alguns argumentavam que a vitória na Copa não favoreceria a Ditadura, e que esporte e política nunca se misturam. Outros destacavam que esporte e política misturam-se, e muito.

NEGOCIATAS DE 1978 – O Orçamento inicial da Copa de 1978 era de US$ 70 milhões. Custo final da Copa: US$ 700 milhões (o valor supera amplamente o custo da Copa realizada na Espanha, em 1982, que foi de US$ 520 milhões).

GUERRA CIVIL OU GUERRILHA LOCALIZADA?

Os militares deram o golpe e instauraram a ditadura mais sanguinária da História da América do Sul (América do Sul, não América Latina) com o argumento (um dos vários) de que a guerrilha controlava grande parte do país.

Delírio. A pequena guerrilha argentina, mais especificamente o ERP, dominava às duras penas uma pequena porcentagem da província de Tucumán, a menor província da Argentina.

A magnificação da guerrilha foi útil para os militares e também para o prestígio dos guerrilheiros. A nenhum dos dois lados era conveniente admitir a realidade, de que a área controlada pela guerrilha era ínfima.

Os militares e os setores civis que apoiaram o golpe (e os saudosistas daqueles tempos) afirmavam (e ainda afirmam) que o país estava em guerra civil nos nos 70.

Mas, “guerra civil”, rigorosamente, seriam conflitos de proporções mais substanciais, tais como a Guerra da Secessão dos EUA, a Guerra Civil Espanhola, a Guerra Civil Russa logo após a proclamação do Estado Soviético, a Guerra das Duas Rosas (Lancasters versus Yorks, na Inglaterra) ou a Guerra Civil da Grécia após o fim da Segunda Guerra Mundial. Ainda: a Guerra Civil da Nicarágua, e a de El Salvador. Isto é: bombardeios de cidades, grandes êxodos de refugiados, centenas de milhares de mortos, uma boa parte de um país controlado por um dos lados, e outra parte controlada por outro lado. Isso não ocorreu na Argentina nos anos 70.

POLÍTICA EXTERNA ESQUIZOFRÊNICA

Na política externa a Ditadura também mostrou um comportamento peculiar:

- Acreditou que os EUA ficariam de seu lado na Guerra das Malvinas, já que a Ditadura havia sido um bastião anticomunista na América do Sul e até havia colaborado na guerrilha dos ‘contras’ na América Central.

Os militares argentinos não levaram em conta que pesaria mais a velha aliança EUA-Grã Bretanha por motivos históricos e pela participação na OTAN.

- A Ditadura tinha um discurso anticomunista mas continuou vendendo trigo para a URSS e não aderiu ao boicote americano contra as Olimpíadas de Moscou em 1980.

Fonte: Blog do Ariel Palacios
http://blogs.estadao.com.br/ariel-palacios/ha-30-anos-encerrava-se-a-ditadura-argentina-pequeno-manual-sobre-o-modus-operandi-do-regime/

Parte 02: Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina
Parte01: Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina (Tortura e voos da morte, Estado proto-nazista)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

El Holocausto En Documentos - Yad Vashem - Livro

Agradecendo tardiamente pois este post sairia em 2013 e acabou não dando pra colocar. Gostaria de agradecer publicamente ao Daniel (do blog Avidanofront) pelo envio de cópia desse livro El Holocausto en Documentos (link2) além de um exemplar do livro O Crime Metódico que citei aqui no final do ano passado, acrescidos de mais 3 livros raros sobre o Holocausto (pois estão fora de catálogo): O Nono Círculo (do jornalista francês Christian Bernadac), Dias Sem Fim (do mesmo autor) e Triângulo Vermelho (de Catherine Roux).

O livro Holocausto en Documentos tem edição em inglês também, título: Documents on the Holocaust: Selected Sources on the Destruction of the Jews of Germany and Austria, Poland, and the Soviet Union (clique aqui) e é uma publicação do Yad Vashem, cheio de documentos sobre o extermínio nazi na segunda guerra (fontes primárias).

Pra quem "ainda" tem dúvidas sobre o que seja um livro de História (pois não acredito que alguém interessado no assunto não saiba distinguir uma coisa da outra), o livro citado acima, El Holocausto en Documentos é um livro de História, já isso aqui é um panfleto "revisionista" (negacionista): Professor Robert Faurisson - As vitórias do revisionismo, hospedado num site de apologia do nazismo e antissemita com os seguintes dizeres: "Os judeus são nossa desgraça!".

Pelo menos, se é que dá pra dizer isso, esses "revis" do "Der Stürmer" são sinceros, não ficam negando que sejam antissemitas e viúvas de Hitler como a maioria dos "revis" quando são indagados sobre essas questões.

O título do site neonazi com suástica e tudo, no caso o termo "Der Stürmer", é alusivo a uma publicação nazista (de mesmo nome)que circulava no III Reich, de Julius Streicher, um notório nazista fanático que foi condenado no julgamento de Nuremberg à pena capital. Mais sobre o Streicher você pode ver aqui: Der Giftpilz (O Cogumelo Venenoso) - propaganda nazi para criancas no III Reich.

Mas voltando ao teor inicial do tópico, torço pra que saiam mais livros como este do Yad Vashem, em espanhol (por conta da proximidade dos idiomas, pra quem fala português consegue entender com certa facilidade o que é escrito em espanhol), já que esperar pela publicação deste tipo de livro em português beira a tolice (dificilmente lançam algo relevante, e quando o fazem, sai com preço elevado). O curioso é ver como antigamente no Brasil eram publicados vários livros interessantes sobre segunda guerra e Holocausto e hoje em dia só lançam perfumaria (romances e essas coisas).

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Tramitação do PL sobre negação do Holocausto. Comissão aprova novas punições para crimes relacionados ao preconceito

Pra quem quer saber a quanto anda o "desenrolar" aquele PL (Projeto de Lei) sobre a negação do Holocausto, esta notícia saiu dia 18 de dezembro passado e ao que tudo indica a coisa está adiantada. Embora em se tratando do congresso brasileiro, o "adiantar" dele tanto pode ser rápido ou 'bem demorado' (esse PL é de 2007).

Sobre a parte que fala do negacionismo e da pena pra quem praticar:
A proposta define pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa para quem negar ou impedir o reconhecimento ou exercício de direito assegurado a outra pessoa por preconceito de raça, cor, sexo, religião, aparência, condição social, descendência, origem nacional ou étnica, idade ou de pessoa com deficiência.

A pena prevista pode aumentar em 1/3 em casos de discriminação:

- com fabricação e veiculação de símbolo, propaganda de qualquer natureza que negue o holocausto ou utilize a cruz suástica ou gamada para divulgar o nazismo;
- por meio de comunicação social, publicações de qualquer natureza e pela internet;
________________________________________

Fonte: Site da Câmara dos Deputados
http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/459851-COMISSAO-APROVA-NOVAS-PUNICOES-PARA-CRIMES-RELACIONADOS-AO-PRECONCEITO.html

Agora resta saber quando isso será aprovado em definitivo e virar lei. Sobre os questionamentos a esse tipo de leio, aqui mesmo no blog há uma divisão, nem todo mundo é favorável por achar que a penalização por si só não impede a proliferação de racismo e afins. O que tem fundamento pois não se acaba com preconceito a canetada, a legislação sobre racismo existe desde 1988 e a educação sobre o assunto no país beira a nulidade, o que é visivelmente constatável (basta ver as inúmeras reações de preconceito na web e nas ruas país afora).

Uma coisa é certa: o que deve ter de "revi" tupiniquim se pelando de medo de ser enquadrado nessa lei, é um verdadeiro "festival". Haja choro.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Uma mulher em Birkenau: Krauser e o grito dos mortos

Publicado em 22 dezembro, 2013

No inverno um comandante novo com sobrenome Krause chega ao comando do campo. Sua cara, como a de um retrato alemão antigo, tem traços tipicamente germânicos. Antes de tomar posse, visita os diferentes setores e estuda o progresso de liquidação do Lager (Campo). Para diante de um grupo de prisioneiras e pergunta a Perschel, que o acompanha, como se explica que algumas prisioneiras tenham números muito baixos. Quer dizer que essas prisioneiras duram em Oswiecim um ano, dois ou até mais?

-Jawohl, Herr Kommandant. Exatamente, meu comandante.

Krause está indignado. Crava seu olhar nos olhos doentios de Perschel e declara que um prisioneiro de campo de concentração não deveria viver mais de seis semanas. Se não morreu em todo este tempo, significa que aprendeu a fazer tramoias e por isso se deve exterminá-lo.

- Verstanden? Compreendido?

- Sicher, Herr Kommandant! Pois não, senhor comandante!

Sicher, Herr Kommandant… Você tem que admitir que os prisioneiros tiveram que esperar muito para lhe perguntar se não mudou de opinião. Gostaria de aplicar agora o mesmo princípio aos prisioneiros de guerra alemães?

Naquele momento estivemos frente a frente, ele, o senhor de nossas vidas, e nós, uns seres efêmeros. Ele, um daqueles que arrebataram da natureza a capacidade sagrada de impor a morte, um daqueles que auf Befehl, obedecendo ordens, converteram um grupo de pessoas em uma montanha inútil de objetos mortos, que os converteram em seres repugnantes de delgadas tíbias, que espantam com seus turvos olhos abertos e seu grito mudo de terror. E nós, os irmãos dos mortos, uns galeotes atados por uma cadeia. E todos pensamos que havia de estar cego para não se dar conta de que o grito dos mortos se torna mais perigoso que os chamados em voz alta dos vivos.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2013/12/22/una-mujer-en-birkenau-krauser-y-el-grito-de-los-muertos/
Trecho do livro (citado no blog): "Una mujer en Birkenau" (título em inglês, Smoke Over Birkenau), Alba editores, págs. 392-393; de Seweryna Szmaglewska
Tradução: Roberto Lucena

domingo, 12 de janeiro de 2014

Diretor chinês coloca na tela Julgamento de Tóquio

O julgamento de Tóquio, efetuado pelo Tribunal Militar Internacional Aliado para o Extremo Oriente contra os 28 maiores criminosos de guerra japoneses, foi transportado à tela pelo diretor chinês, Gao Qunshu. O filme, com nome homônimo, entrou em circuito nacional no dia 31 de agosto.

O famosíssimo julgamento da história da humanidade, que estendeu de maio de 1946 a julho de 1948, cravou vários recordes históricos: 818 sessões, 48 mil páginas de registros taquigráficos, 419 testemunhas, mais de 4.000 provas documentais e 1.131 páginas de sentença.

Gao Qunshu juntou duas histórias no filme: o relato de Mei Ru´ao, o único juiz chinês no tribunal e as dores de uma família comum japonesa durante a guerra. Segundo ele, a maior dificuldade da filmagem se encontrou na procura de fontes materiais.

"Os registros históricos existentes na China sobre o Julgamento de Tóquio são muito limitados. Visitamos quase todas as bibliotecas que possuem registros a respeito. Tenho que confessar que as fontes mais valiosas para o filme vem de uma série de livros publicados no Japão".

Conforme o diretor, 80% dos diálogos do longa ocorrem nos idiomas Inglês e Japonês. O roteiro do filme foi revisado, palavra por palavra, por historiadores, linguistas e juristas. Isso, segundo Gao, é um reflexo de respeito à história.

"O roteiro foi revisado por historiadores e linguistas. Há muitos termos referentes à lei, que exigem uma alta precisão das palavras. É importantíssimo para um diretor de filme assumir sua responsabilidade ao transportar a história à tela. O julgamento existiu e assumiu uma importância indiscutível na história da humanidade".

O elenco da longa é formado por atores do continente chinês, Taiwan, Hong Kong, Japão e EUA. De acordo com Gao, os atores japoneses, que dão vida aos criminosos de guerra, atuaram de maneira muito profissional.

"Decidimos desde o começo selecionar atores japoneses para interpretar os criminosos de guerra. O objetivo é garantir a credibilidade do filme. E eles (atores japoneses) aceitaram interpretar os papéis".

Formado em jornalismo, Gao Qunshu foi repórter e diretor de novelas. O Julgamento de Tóquio é a sua primeira produção cinematográfica e arrecadou 4,5 milhões de yuans apenas nos primeiros três dias de estreia. A conclusão do filme, no entanto, foi dificultada por uma crise financeira provocada pela retirada de um dos investidores da produção. Gao só conseguiu prosseguir o filme com 5 milhões de yuans obtidos após a hipoteca dos direitos autorais de uma das suas novelas inéditas.

"Fiz tudo o que podia diante de um tema histórico tão sério e pesado", concluiu Gao.

Fonte: Site da CRI (Rádio Internacional da China)
http://portuguese.cri.cn/101/2006/09/18/1@51596.htm

sábado, 11 de janeiro de 2014

Série "Doutores do Inferno" completa, do livro de Vivien Spitz sobre experimentos nazistas

Chega ao fim as traduções dos textos colocados no blog espanhol "El Viento en la Noche" ("O vento na noite", link: http://universoconcentracionario.wordpress.com/) sobre as experiências médicas nazistas durante o Terceiro Reich.

Faltou uma única tradução que não foi feita em virtude de que o testemunho do Kurt Gerstein já consta do blog (Relato do SS Kurt Gerstein - Campo de extermínio de Belzec) e no blog Avidanofront (link), não sendo necessário fazer uma nova tradução. Embora eu não tenha lido o texto com o trecho do livro da Spitz (no outro blog) pra verificar se são exatamente iguais. Pra quem quiser ler (em espanhol), segue o link:
Doctores del infierno: testimonio de Kurt Gerstein

Quando for possível ler o texto, e caso não sejam iguais os relatos, o texto será colocado. É a única exceção da série Doutores do Inferno (que pra ler inteira basta clicar no marcador com o nome).

Antes de ler o aviso mais abaixo, leia este anterior (no link):
Sobre a série "Doutores do Inferno" (livro) e posts programados do blog (06.01.2014)
__________________________________________________________________

Mais um aviso, embora isso já tenha sido dito antes (e será repetido sempre que for possível pois muita gente "faz de conta" que não "lê"): todos os textos colocados no blog possuem as fontes citadas de onde eles foram tirados. É uma questão de honestidade intelectual e seriedade citar a fonte de origem do texto porque os textos são concedidos pra que outros leiam, mas as traduções têm autoria, justamente pra evitar que distorçam, deturpem, façam plágio e usem comercialmente os textos sem autorização.

Digo isso porque vejo que muitos textos sobre este assunto e sobre segunda guerra são copiados ou traduzidos sem serem citadas as fontes de onde eles foram tirados, o que é algo bem desonesto. Se não é autor de um texto, por que copiar sem citar a fonte?

Isso ocorre principalmente no Facebook, o que já soltaram de 'copy-and-paste' por lá de Páginas que por sua vez já copiam textos da web sem checar nada (cheios de erros, montagens, fotos com legendas falsas), é literalmente uma piada (de mau gosto). E sem "florear" (aliviar) o comentário, o conteúdo desses textos costuma ser uma porcaria de baixo nível, um amontoado de lixo. Alguém achar que vai aprender sobre segunda guerra lendo essas "tirinhas" "miguxas" soltas cheias de erros, só pode estar de brincadeira ou se auto enganando. Não vão substituir nunca livros (os que prestam, pois há muita "literatura" ruim) com "tirinhas" no Facebook, é triste o quadro naquela rede (como era também o do Orkut).

Não entendo o interesse mórbido das pessoas em se aglomerar nessas páginas sem real interesse em aprender nada (lerem livros), aparentemente só as adicionam pra fazer uma "média" pra colocar no perfil (fazer "pose"). Há Páginas de conteúdo cultural boas naquela rede, mas são uma minoria e o site é problemático, mas o 'grosso' (a maioria delas) é um amontoado de lixo mesmo. E não é o melhor local pra se aprender algo caso a pessoa não tenha conhecimento razoável sobre o tema e senso crítico apurado.

Além dos problemas citados acima, há outro já citados antes. Já vi mais de uma vez gente usando fakes colocando links deste blog pra discutir com "revis". Eu não tenho nada contra alguém que se identifique e seja sério pegue os links, por sinal, a ideia dos textos é repassar conhecimento adiante e não haveria sentido se isto não ocorresse, eu tenho algo contra fakes e molecagem, prática que desaprovo porque parto do princípio que se alguém tem medo de discutir com "revis" pra que afinal discute com eles, e ainda usa um fake? Qual o sentido disso? Pra atestar que sente medo de "revis" e servir de bobo da corte a esse pessoal? Há atitudes que são bizarras, essa é uma delas.

Certas imposturas na web que vejo bastante no país são lamentáveis. Não que isto não aconteça fora, pelo contrário, trolls existem em todo mundo (há um mesmo no Rodoh, um troll dos EUA, enchendo o saco de todos há muito tempo), mas a quantidade disso no Brasil é impressionante.

Faço este comentário principalmente pros que acham que só os "revis" criam "problemas" e misturam assuntos como conflito no Oriente Médio (questão Israel x Palestina), disputa política no Brasil, com esses assuntos de extrema-direita e racismo. O que já vi de gente "combatendo" (entre aspas, pois 'de boas intenções o inferno tá cheio', como diz o dito popular) o credo das viúvas hitleristas criando mais problema (mais que os próprios "revis") é um verdadeiro festival, só de mencionar isto já dá raiva.

Esse pessoal costuma me irritar mais que os próprios "revis" pois pelo menos os "revis" deixam claro o que "defendem" (aquelas aberrações deles que não é necessário repetir, já são de conhecimento público). A questão central é que esses "pseudo-humanistas" que ficam "combatendo" o credo "revi" não costumam se posicionar claramente sobre a questão a não ser nutrir uma compulsão por "discutir" com esses caras, fora misturar várias disputas políticas com isto.

Quando digo se posicionar, refiro-me a contradições bizarras como gente que defende ditadura (de 1964), que é de extrema-direita (desde que não ostente uma suástica), que acredita piamente em teorias da conspiração e afins [Nova Ordem Mundial (NOM), Illuminati], que entra nisso por fanatismo religioso (principalmente fundamentalismo evangélico e as pregações sobre Armagedom no Oriente Médio e conflito israelense-palestino), dizer que "combate" quem também morre de amores por ditaduras ultranacionalistas (como a de 1964), fica com "caça a comunistas", teorias da conspiração (os "revis" ou negacionistas) etc. É um troço bizarro, não há outro termo pra descrever. Sinto a quem se deixou se seduzir por estas fábulas e "mitologias" modernas disseminadas na web, mas essas "teorias da conspiração" não passam de idiotice em grau máximo, sem meio termo.

Deixo claro também que não gosto de fundamentalistas religiosos de qualquer vertente religiosa, não gosto mesmo, e nem queiram "testar" minha paciência com isso achando que estou escrevendo isso da "boca pra fora". Não estou, eu não gosto MESMO, pra não dizer logo que odeio. Se esse pessoal é radical e intolerante com quem não se enquadra na visão de mundo deles, eu também sou com eles. Por isso, a quem se enquadrar nesse perfil, favor passar longe, eu agradeço, até porque eu não fico atrás de fundamentalistas "pregando coisas" mas vários já vieram encher o saco sem serem "convidados".

"Ah, mas isso é sectarismo", não é, mas... posso ser sectário se for necessário. Paciência tem limite e a minha com esse tipo de gente já se esgotou faz tempo. Depois que vi várias confusões causadas por este pessoal no Orkut passei a entender (depois de ler) a razão desse "fervor" religioso (fanatismo) misturado a questões políticas, é algo esdrúxulo. Mas não tente dizer a um fanático cego que essas bizarrices/fobias sociais que eles se agarram não têm fundamento, ele ficará com raiva de você e sinceramente, não são o tipo de pessoas que eu faça questão de ter junto. O que veio de gente com esse perfil criar problema no Orkut com esse tipo de mistura político-religiosa é de assustar, e extrapolou há muito a tolerância alheia. São desagradáveis pois além de tudo não sabem discutir, não entendem o assunto (pois sempre colocam viés religioso em tudo) e não sabem conviver numa democracia pois reduzem tudo à "crença religiosa" (e intolerância) sem uma visão analítica do mundo.

Incomoda-se também o pessoal envolvido em discussões sobre conflitos no Oriente Médio, principalmente o Israel-Palestina. Há radicais do lado pró-palestino e isso é sabido (já fui atacado por alguns com a burrice deles de que "todo mundo é sionista" e bla bla bla, quando na verdade a razão do ataque é que alguns são antissemitas mesmo e eu recebi o ataque mesmo não sendo judeu, essa foi a parte mais "engraçado", pra verem que essa intolerância racista não se resume a grupos e pode atingir qualquer pessoa), mas há um pessoal radical pró-Israel (extrema-direita) que é tão casca-grossa quanto esse pessoal radical do lado pró-palestino, ou mais até pois simplesmente ignoram o que se passa naquele conflito e de qual é o lado opressor da coisa, além de não tolerarem muito críticas (as sérias). Se não conseguem analisar a questão com sobriedade se transformam em um bando de extremistas lunáticos repetindo radicalismo (panfletagem) de forma praticamente religiosa.

Acho que colocarei esta última parte do comentário (conflito Israel-Palestina e os radicais de ambos os lados) em outro post pois acabou esticando muito este post.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Doutores do inferno: o caso médico

Publicado em 9 de junho, 2012

Karl Brandt. Julgamento de Nuremberg
Em 25 de outubro de 1946, os Estados Unidos imputou quatro acusações a vinte médicos alemães e três auxiliares médicos no caso 'Estados Unidos da América contra Karl Brandt et al'. Assim se deu início ao primeiro e mais horrendo dos doze processos posteriores.

A primeira acusação era por conspiração.

A segunda, por crimes de guerra.

A terceira, por crimes contra a humanidade, entendendo por isto: assassinatos, brutalidades, humilhações, torturas, atrocidades e atos inumanos.

A quarta se referia à ato de pertencer a uma organização criminosa, declarada assim pelo Tribunal Internacional e conhecida comumente como a SS.

(…)

A medida que eles eram chamados, os acusados iam se levantando um por um. Eu os olhei todos. Tinham um aspecto desalinhado, usavam roupas sem passar, paletós e calças, ou uniformes militares despojados de todas as suas insígnias. Muitos calçavam botas militares. Pareciam ressentidos e arrogantes. Alguns tinham (sic) os lábios tensos, uma expressão dura e mesquinha no semblante, e a mandíbula apertada. No meu modo de ver, os de aparência mais vil eram os doutores Karl Brandt, com seus olhos penetrantes, e Wolfram Sievers, com sua barba negra e seu bigode pontiagudo. Apelidei-lhe de Barba Azul. (…)

O general de brigada Telford Taylor leu em voz alta as quatro acusações acima mencionadas e prosseguiu dizendo:

Entre setembro de 1939 e abril de 1945 os acusados aqui presentes cometeram de maneira intencional, voluntária e contrária ao Direito, crimes de guerra tal e como aparecem definidos no Artigo II da Lei 10ª do Conselho de Controle, no sentido de que perpetraram, fizeram papel coadjuvante, ordenaram, instigaram, foram partícipes voluntários e estiveram relacionados a planos e projetos que implicavam experimentos médicos, sem o consentimento das pessoas, com civis e membros das forças armadas de países então em guerra contra o Reich alemão e que estavam sob custódia do Reich alemão no exercício de seu poder como força de ocupação. Experimentos no curso dos quais os acusados cometeram assassinatos, brutalidades, humilhações, torturas, atrocidades e outros atos inumanos. Tais experimentos incluíram os seguintes, ainda que não se limitassem a eles:

- Experimentos relativos a altitudes elevadas. Muitas das vítimas desses experimentos (levados a cabo em uma câmara de baixa pressão na qual era possível reproduzir as condições atmosféricas e de pressão imperantes em altitude elevada, até um máximo de vinte mil metros) morreram como resultado desses experimentos e outras sofreram lesões graves, torturas e humilhações.

- Experimentos de congelamento. Às vítimas eram colocadas num tanque de água gelada até um máximo de três horas, ou lhes mantinha nus à intempérie pelo período de horas a temperaturas abaixo de zero, com o resultado no qual muitos morreram.

Chegado a este ponto, começava a custar para mim um grande esforço manter a moderação e conservar a compostura. O general prosseguiu:

- Experimentos com malária. Utilizando mosquitos ou injeções de extratos das glândulas mucosas de mosquitos, infectaram contra sua própria vontade a mais de mil pessoas que contraíram a malária, muitas delas morreram, enquanto outras sofreram fortes dores e deficiência permanente.

- Experimentos com gás mostarda. Infligiram feridas às vítimas de maneira premeditada e as infectaram rapidamente com gás venenoso; algumas das vítimas morreram e outras sofreram dores agudas e lesões graves.

- Experimentos com sulfanilamida. Às feridas que foram infligidas de maneira premeditada aos sujeitos da experimentação, infectaram-lhes com estreptococos, gangrena gasosa e tétanos, e na continuação foram introduzidas nas feridas lascas de madeira e vidro moído, no qual se produzia mortes, lesões graves e fortes dores.

- Experimentos relativos à regeneração de ossos, músculos e nervos e ao transplante de ossos. Extraíam-se das vítimas seções de osso, músculo ou nervos, o que lhes causavam fortes dores, mutilações, deficiência permanente e morte.

- Experimentos com água marinha. Os elementos eram desprovidos por completo de alimento e lhes davam unicamente água marinha processada quimicamente, o que causava intensas dores, sofrimento, lesões físicas graves e loucura.

- Experimentos com icterícia epidêmica. Infectavam os elementos premeditadamente com icterícia epidêmica, com o resultado de dores, sofrimento e morte.

- Experimentos de esterilização. Milhares de vítimas foram esterilizadas mediante Raios X, cirurgia e remédios, com o resultado de graves padecimentos físicos e mentais.

- Experimentos com tifo exantemático. Morreram centenas de pessoas: mais e 90 por cento dos sujeitos que foram infectados premeditadamente no transcurso dos experimentos.

- Experimentos com veneno. O veneno era administrado de maneira secreta na comida dos elementos da experimentação, no qual todos faleceram ou foram assassinados premeditadamente com a finalidade de fazer autópsia. Em outros casos eram disparadas, nas vítimas, balas de veneno que ocasionavam grandes sofrimentos e morte.

- Experimentos com bombas incendiárias. Infligiam queimaduras aos elementos da experimentação com fósforo extraído das bombas, o que ocasionava fortes dores, sofrimento e graves lesões físicas.

Civis e membros das forças armadas dos países então em guerra com a Alemanha foram assassinados no exercício de seu poder como força de ocupação. Cento e doze judeus foram escolhidos, assassinados e descarnados para completar uma coleção de esqueletos destinada à Universidade do Reich em Estrasburgo (França) sob a ocupação nazi.

(…)

Mediante o fato de ter sido posto em prática o programa de "eutanásia" do Reich alemão, assassinaram a centenas de milhares de seres humanos, entre eles cidadãos de países ocupados pelos alemães. Isto incluso a execução sistemática e secreta de anciãos, dementes, enfermos incuráveis, crianças deformes e outras pessoas por meio de gás, injeções letais e outros métodos em clínicas de repouso, hospitais e asilos. Essas pessoas eram consideras "bocas inúteis" e um fardo para o maquinário de guerra alemão. Era informado aos familiares das vítimas que eles haviam morrido de causas naturais, tais como infartes cardíacos. Os médicos alemães implicados no programa de "eutanásia" foram assim mesmo enviados aos países ocupados do leste da Europa para contribuir com o extermínio massivo de judeus.

- Vou pedir aos acusados que se declarem culpados ou inocentes das acusações que lhes são imputados - anunciou o juiz Beals -. (…)

A partir daqui, foram interpelados um a um os demais acusados. Todos tinham advogado. Todos se declararam inocentes das acusações que lhes foram imputadas.

(…) Teria me surpreendido se algum deles se declarasse culpado.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/09/doctores-del-infierno-el-caso-medico/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 89-95; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Documentário de Hitchcock sobre Holocausto é restaurado e deve ser projetado

Alfred Hitchcock
Londres, 8 jan (EFE).- Um documentário de Alfred Hitchcock sobre os campos de concentração nazistas, rodado em 1945, será projetado pela primeira integralmente após ser restaurado pelo Imperial War Museum de Londres.

Segundo informa nesta quarta-feira o jornal "The Independent", o lendário cineasta se envolveu no projeto em 1945 depois que seu amigo Sydney Bernstein pediu ajuda para editar um documentário sobre as atrocidades cometidas pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

O conteúdo das imagens filmadas por operadores de câmera da Unidade de Cinema do Exército Britânico, ao mesmo tempo que as tropas aliadas libertavam os judeus dos campos de concentração, "horrorizaram" o criador de "Vertigem" e "Os Pássaros".

"Hitchcock, apelidado de "mestre do suspende" pelo brilho de seus filmes de terror, ficou tão "traumatizado" pelo duro conteúdo das gravações que permaneceu afastado dos estúdios "Pinewood" durante uma semana.

Um curador do Departamento de Pesquisas do Imperial War Museum (Museu de Guerra Imperial), Toby Haggith, afirmou que o documentário "ficou suprimido pela transformação da situação política, particularmente para os britânicos".

"Quando descobriram os campos (de concentração), americanos e britânicos tiveram pressa para divulgar uma gravação que mostrasse os campos e fizesse com que os alemães aceitassem sua responsabilidade pelas atrocidades", disse ao "Independent".

Além do horror que esse material provocou no cineasta, o desejo aliado de não irritar a Alemanha derrotada por sua culpa no Holocausto levou ao esquecimento cinco de seis rolos cinematográficos, que terminaram nos arquivos do museu.

Nos anos 80, as imagens foram descobertas por um pesquisador americano e, com o tempo, uma versão incompleta da fita foi projetada no Festival de Cinema de Berlim em 1984 para depois ser transmitida nos EUA, um ano depois, sob o título "Memória dos Campos", mas com má qualidade e sem incluir o sexto rolo.

Segundo o "The Independent", no final de 2014 o filme poderá ser projetado em uma versão restaurada pelo museu londrino, graças à tecnologia digital, como Hitchcock, Bernstein e outros colaboradores pretendiam.

A decisão de ressuscitar esse documentário gerará provavelmente um debate, pois inclui imagens realmente impactantes dos campos, em particular de Bergen-Belsen, aponta a publicação.

Segundo Haggith, o filme, que descreve como "brilhante" e "sofisticado", é "muito mais fiel" que outros documentários filmes rodados sobre o Holocausto.

O curador, apontou além disso, que o documentário "não só trata da morte", mas mostra também imagens de reconstrução e reconciliação, ao mesmo tempo em que elogiou a "brilho" e "originalidade" dos câmeras que fizeram as imagens.

Fonte: EFE/Yahoo!
http://br.noticias.yahoo.com/document%C3%A1rio-hitchcock-holocausto-%C3%A9-restaurado-deve-ser-projetado-173629445.html
_______________________________________

A quem quiser ver o que foi exibido do documentários (a versão incompleta) antes dessa restauração, link abaixo:
Documentário de Hitchcock sobre o Holocausto - Liberação dos campos de extermínio, série de I-IV
http://holocausto-doc.blogspot.com/2011/02/hitchcock-documentario-holocausto-i-iv.html


Ver mais:
Documentário sobre o Holocausto que horrorizou Hitchcock será finalmente projetado na íntegra (Euronews)
Alfred Hitchcock's unseen Holocaust documentary to be screened (The Independent, Reino Unido)

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Doutores do inferno: os acusados do caso médico

Publicado em 13 junho, 2012
Sessão do julgamento dos médicos em Nuremberg, 1946.

Na imagem aparem 23 acusados no caso médico dos julgamentos de Nuremberg.
Na parte inferior aparecem os advogados da defesa e na parte direita superior os tradutores.

Em muitos casos, os acusados eram destacados cientistas alemães, médicos e cirurgiões-chefes em clínicas, institutos médicos, hospitais e universidades de toda a Alemanha. Foram os médicos e auxiliares médicos dos campos de concentração que levaram a cabo ou participaram dos truculentos experimentos médicos de Auschwitz, Dachau, Buchenwald, Ravensbrück, Sachsenhausen, Natzweiler, Bergen-Belsen, Treblinka e outros.

O que segue abaixo é uma breve descrição de cada um dos acusados:

1. Karl Brandt, general de divisão da SS; médico pessoal de Hitler e artífice principal do programa que converteu médicos em torturadores e assassino, em que pese haver comprometido tratar e curar mediante o juramento hipocrático.

2. Siegfried Handloser, tenente general, Serviços Médicos.

3. Paul Rostock, cirurgião chefe da Clínica de Cirurgia de Berlim

4. Oskar Schroeder, chefe de Serviços Médicos da Luftwaffe (Força Aérea alemã)

5. Karl Genzen, chefe do Departamento Médico da Waffen-SS.

6. Karl Gebhardt, general de divisão da Waffen-SS e presidente da Cruz Vermelha alemã.

7. Kurt Blome, plenipotenciário para Investigação Oncológica.

8. Rudolf Brandt, secretário pessoal do Reichführer SS Heinrich Himmler.

9. Joachim Mrugowsky, higienista chefe do Serviço Médico da SS.

Herta Oberheuser
10. Helmut Poppendick, chefe do Corpo Médico da SS.

11. Wolfram Sievers, diretor da Sociedade Ahnenerbe.

12. Gerhard Rose, general de brigada do Serviço Médico da Força Aérea.

13. Siegfried Ruff, diretor do departamento para Medicina de Aviação do Instituto Experimental.

14. Hans Wolfgam Romberg, médico do Instituto Experimental Alemão para Aviação.

15. Viktor Brack, chefe de administração da Chancelaria do Führer.

16. Herman Becker-Freyseng, chefe do Departamento para Medicina da Aviação.

17. George August Weltz, chefe do Instituto para Medicina da Aviação.

18. Konrad Schaefer, médico do Instituto para Medicina da Aviação.

19. Waldemar Hoven, médico chefe do campo de concentração de Buchenwald.

20. Wilhem Beiglboeck, assessor médico da Força Aérea.

21. Adolf Pokorny, médico especialista em enfermidades de pele e doenças venéreas.

Mengele
22. Herta Oberheuser, doutora do campo de concentração de Ravesnsbrück.

23. Fritz Fischer, auxiliar médico do acusado Gebhardt.

Dos acusados que se sentaram no banco dos réus, vinte eram médicos e três não: Rudolf Brandt, Wolfram Sievers e Vicktor Brack. Os acusados podiam ser divididos em três grupos principalmente. Oito eram membros do serviço médico da Força Aérea alemã. Sete pertenciam ao serviço médico da SS. Oito (incluídos os três que não eram doutores) ocupavam posições relevantes dentro da hierarquia médica.

(…)

Dos cerca de 350 médicos que se estima terem cometido delitos contra a saúde, só esses vinte doutores e três auxiliares foram levados ante a justiça e se sentaram no banco dos réus no caso médico de.

Houve outros médicos processados, chegando a ser condenados e sentenciados à morte na forca em outros julgamentos militares norte-americanos celebrados em Dachau. Muitos escaparam, contudo; entre eles, o mais célebre e perverso, o doutor Josef Mengele, o Anjo da Morte, que realizou experimentos com crianças (frequentemente gêmeos) e os matou em Auschwitz. Mengele conseguiu se esconder na Baviera até que pode fugir para a América do Sul.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/13/doctores-del-infierno-los-acusados-del-caso-medico/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 95-99; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena
_____________________________________________________

Observação: muitos negacionistas (pró-nazis e fascistas ou simpatizantes, a extrema-direita fáscio), e diria que a maioria plena deles, contorcem-se quando citam este julgamento dizendo que houve um "linchamento" em Nuremberg ou algo parecido a um "linchamento", quando na verdade houve uma tremenda impunidade (dos estimados 350 médicos envolvidos em crimes, menos de 23 sentaram no banco dos réus e boa parte dos condenados foram soltos). Fico pasmo como muitas pessoas aceitam passivamente esse tipo de afirmação falsa quando algum desses "revis" bradam coisas desse tipo.

A maioria dos médicos nazistas e auxiliares que participaram de experiências (atrocidades) com humanos não chegaram a sentar no banco dos réus (ficaram livres) e muitos dos que sentaram foram soltos logo depois na Alemanha Ocidental (que era a parte alinhada ao bloco capitalista, da Alemanha dividida na Guerra Fria, a Alemanha Oriental era alinhada obviamente ao Bloco Socialista).

Há inclusive um livro do "revi" Carlos Whitlock Porter com o título cínico de "Não culpados em Nuremberg" (aviso que o site do Porter contém várias imagens e textos antissemitas, pra variar... depois os "revis" ainda negam que sejam antissemitas), com distorções de cima abaixo e as abobrinhas habituais de apologistas do nazismo.

Inclusive muitos "revis" (pra confirmar que a maioria não sabe nada de segunda guerra) desconhecem os Julgamentos de Tóquio (link1, link2) pra julgar atrocidades japonesas na segunda guerra, sendo que este julgamento foi um festival de impunidade ainda pior que o de Nuremberg. Muitos "revis" acham que só ocorreram julgamentos com nazistas, nunca ou quase nunca citam os julgamentos de Tóquio.

De fato não houve justiça em Nuremberg, mas não a "injustiça" alegada pelos "revis" (coxinhas de suástica) e sim impunidade pela não punição adequada a pilhas de criminosos nazistas.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina - parte 02

Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina (pequeno manual sobre o modus operandi do regime) - parte 02

GALERIA DE ALGUNS DOS PRINCIPAIS TORTURADORES

O “Tigre” Acosta - Um dos criadores dos “voos da morte” foi o capitão de corveta Jorge “Tigre” Acosta, uma das “estrelas” da Escola de Mecânica da Armada (ESMA). O oficial, que falava sozinho à noite, em delírio místico explicava aos colegas e prisioneiros que mantinha longas conversas noturnas com “Jesucito” (O pequeno Jesus), ao qual perguntava qual dos prisioneiros deveria torturar no dia seguinte e jogar dos aviões. Famoso pelos requintes de crueldade que aplicava aos detidos, Acosta também foi um dos principais sequestradores dos bebês de prisioneiras da ESMA.

O “Anjo Loiro” Astiz – “É o mais sinistro paradigma do terrorismo de Estado”. Com esta frase, o escritor e jornalista Jorge Camarasa, define a personalidade do ex-capitão Alfredo Astiz apelidado de “O anjo loiro da morte”. Garoto mimado da ditadura, entre seus assassinatos mais famosos estão os das freiras francesas Alice Domon e Leonie Duquet, além de três fundadoras das Mães da Praça de Mayo, entre elas, Azucena Villaflor. Astiz foi recompensado por seus serviços com o cargo de comando nas ilhas Geórgias durante a Guerra das Malvinas, em 1982. No entanto, essas ilhas foram o primeiro ponto recuperado pelos britânicos durante o conflito. Após um único tiro de bazuca disparado pelos britânicos, Astiz desistiu de resistir “até a morte”, como havia prometido. Com com um copo cheio de whisky em uma das mãos, assinou a rendição incondicional.

Donda Tigel - Alfredo Donda Tigel tornou-se famoso por sequestrar seu próprio irmão e a cunhada – militantes da esquerda. Depois de assassiná-los, ficou com suas filhas, que eram bebês.

Ernesto Weber – Oficial da Polícia Federal, era apelidado de “220” pelos colegas militares pelo prazer que sentia em aplicar essa voltagem nas torturas. Foi professor de torturas dos oficiais de Marinha.

Febres - O ex-Chefe da Guarda Costeira Héctor Febres ficou notório por seu extremo sadismo, que o levou a torturar bebês e crianças para arrancar confissões dos pais, presos políticos. A primeira surpresa ocorreu poucos dias após sua morte, no dia 10 de dezembro – o Dia internacional dos Direitos Humanos, que também coincidiu com a posse da nova presidente, Cristina Fernández de Kirchner – quando a Justiça anunciou que o ex-torturador havia falecido por uma dose cavalar de cianureto. A segunda surpresa surgiu dias depois, quando as autoridades indicaram que a autópsia também registrou a presença de sêmen no reto do ex-torturador. Ele era famoso por seu desenfrado sadismo. Sobreviventes relatam que, quando aplicava choques elétricos nos prisioneiros, ficava “alucinado” e gargalhava enquanto ouvia os gritos dos torturados. Um dos sobreviventes relatou como Febres lhe pediu gentilmente que consertasse o aparelho de choques elétricos, que logo depois utilizaria no próprio prisioneiro. Na ESMA os torturadores costumavam ter apelidos referentes a animais. Esse era o caso do capitão Jorge “Tigre” Acosta e do tenente Alfredo “Corvo” Astiz. Mas, Febres era chamado de “Selva”, já que “era o conjunto de todos os animais”

Enfardador - Luis Porcio, chefe de segurança da Side, conhecido pelo apelido de “Enfardador”, já que apreciava amarrar os prisioneiros com arames, como se fossem fardos, para posteriormente queimá-los. Ele operava no Automotores Orletti, um centro clandestino de detenção e tortura localizado no bairro portenho de Floresta

El Turco Julián - Diversas testemunhas indicam que os torturadores argentinos ouviam marchas militares do Terceiro Reich e discursos de Adolf Hitler enquanto torturavam. Esse era o caso Julio Simón, chefe dos interrogadores do centro de detenção “El Olimpo”, cujo nome de guerra era “O Turco Julián”. Ele divertia-se jogando água fervendo em cima de seus prisioneiros políticos. Deleitava-se em torturar os deficientes físicos, jogando-os do alto de uma escada. Além disso, saboreava cada minuto no qual estuprava a esposa de um prisioneiro na sua frente.

Segundo o depoimento da ex-prisioneira (uma das poucas pessoas detidas que sobreviveram nesse centro onde imperava Julián) Susana Caride o lugar era uma espécie de “circo romano” no qual os policiais “se divertiam”. Caride relatou que os prisioneiros eram obrigados a lutar boxe um contra o outro, sob ameaças de torturas. Ela também relembrou como, no dia de Natal, os prisioneiros foram convidados para um banquete, no qual puderam comer peru, maionese e panettone. Mas, à meia-noite, na hora do brinde, Simón interrompeu a festa que ele próprio havia organizado para iniciar uma sessão de violentas torturas com os presentes. Juan Agustín Guillén, outro dos sobreviventes, contou como Simón – que ostentava uma suástica no uniforme, tinha especial sanha com José Poblete, um jovem militante peronista que havia perdido ambas pernas em um acidente. Simón lhe havia retirado a cadeira de rodas e as pernas ortopédicas, e divertia-se – às gargalhadas – jogando-o para cima ou obrigando-o a desfilar na frente dos outros policiais arrastando-se sobre os tocos de seus membros.

O ex-policial foi condenado pelo sequestro e torturas infligidas ao casal Gertrudis Hlaczik e José Poblete Roa em 1978. Ele também foi considerado culpado do sequestro de Claudia, o bebê de apenas oito meses do casal, e do ocultamento de sua identidade. Ele fazia Gertrudis andar nua pelos corredores, enquanto que José, sem as pernas, devia se arrastar com as mãos pelo chão. Simón e os outros guardas o chamavam de “cortito” (curtinho), por causa da ausência dos membros inferiores. O torturador também costumava jogar Poblete desde o alto de uma escada. Em um vídeo, o ex-policial admitiu que torturou com choques elétricos, com o objetivo de “acelerar” os interrogatórios. No vídeo, confessa que “o critério geral era o de matar todo mundo”.

Rebaneyra - Outro notório torturador era o carcereiro Raúl Rebaynera, uma dos principais figuras da prisão de La Plata, onde estiveram vários prisioneiros políticos, entre eles, o Adolfo Pérez Esquivel, que em 1980 tornou-se Prêmio Nobel da Paz. Segundo o ex-prisioneiro Julio Modorgoy, cada vez que chovia Rebaynera colocava música clássica, de preferência Beethoven ou Bach – e saía “de caça”, isto é, passava pelas celas espancando os prisioneiros. “Se te dou 15 socos e você não gritar, te levo de novo para a cela. Se gritar, fica aqui na sala de torturas 15 dias”, ameaçava.

A modelo Marie Anne Erize, estuprada pelos
militares por alfabetizar crianças pobres
ESTUPROS – Em 2011 a Justiça argentina começou a investigar os delitos sexuais cometidos por militares e policiais durante a ditadura contra mulheres e homens detidos nos centros clandestinos. Até esse ano, a Justiça havia considerado os delitos sexuais dentro da categoria ampla de “abusos”. Desta forma, com a mudança de enfoque, diversos ex-integrantes da Ditadura puderam ser processados por estupros e violações.

Os casos de delitos sexuais transcorreram nos campos de detenção de “Club Atlético”, “El Olimpo” e “Banco”.

Os envolvidos estupraram – segundo as denúncias – dezenas de mulheres detidas nos centros de tortura. Geralmente elas eram amarradas, nuas, a camas nas celas. Primeiro eram torturadas com choques elétricos nos mamilos e nos órgãos genitais. Posteriormente eram violadas por um ou mais policiais e militares. Ocasionalmente, um dos repressores reclamava exclusividade sobre a mulher estuprada. Os militares e policiais costumavam preferir as estudantes universitárias jovens. Frequentemente, quando um casal era detido, os sequestradores violavam a esposa na frente do marido.

Os militares também costumavam introduzir ratos vivos – e famintos – nas vaginas das mulheres.

O CASO MARIE MARIE ANNE ERIZE

Filha de franceses que instalaram-se na Argentina, Marie Anne Erize foi “Miss Siete Días” (concurso realizado pela revista semanal de maior tiragem da época) e protagonizou diversas campanhas publicitárias da primeira metade dos anos 70 na Argentina.

De forma paralela a seu trabalho nas passarelas Marie Anne Erize fazia militância política na faculdade de filosofia, além de colaborar com o padre Carlos Mujica – referência do clero de esquerda na Argentina – na alfabetização de crianças nas favelas portenhas. A jovem mudou-se para a província de San Juan pouco após o golpe militar. No entanto, em outubro de 1976, ao sair de uma loja de bicicletas, onde havia ido trocar um pneu furado, foi sequestrada e levada para o centro clandestino de torturas “La Marquesita”.

Marie Anne, de 22 anos, que também tinha a cidadania francesa, foi levada à força pelo então tenente Jorge Antonio Olivera (que posteriormente chegaria a major), chefe de inteligência da Infantaria de San Juan, que a estuprou em diversas ocasiões, antes de matá-la. Olivera ufanava-se perante os outros militares de ter penetrado a famosa modelo.

Esta história tem outro lado sinistro: Olivera, que tinha apenas dois anos mais do que ela e era tenente na época da ditadura, havia morado durante sua infância e adolescência em Wanda, Misiones, a mesma cidadezinha de Marie Anne, a apenas um quarteirão de distância um do outro.

Fonte: Blog do Ariel Palacios
http://blogs.estadao.com.br/ariel-palacios/ha-30-anos-encerrava-se-a-ditadura-argentina-pequeno-manual-sobre-o-modus-operandi-do-regime/

Próximo: Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina - parte 03
Anterior: Há 30 anos terminava a ditadura militar argentina - parte 01 (Tortura e voos da morte, Estado proto-nazista)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget