terça-feira, 24 de novembro de 2015

Paul Preston: "Franco pensava que o mundo era regido por um superestado maçônico"

O historiador e hispanista britânico (d), conversa com o reitor da Universidade de Estremadura, Segundo Píriz (i),
e com o presidente estremenho, Guillermo Fernández Vara (c), antes de ser investido Doutor Honoris Causa
num ato celebrado na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Estremadura. EFE/Esteban Martinena

CÁCERES.- O historiador e hispanista britânico Paul Preston foi investido como doctor honoris causa pela Universidade de Estremadura, onde afirmou que o ditador tinha "aspectos bastante cômicos", como o fato de que acreditava que "Paulo VI era um bolchevique".

"Pensava que o mundo era regido por um superestado maçônico, que não se sabia se estava na Lua ou debaixo do Atlântico", acrescentou em tom irônico durante sua conferência como doutor honoris causa pela Universidade estremenha (Uex).

Ante um abarrotado Paraninfo da Faculdade de Filosofia e Letras, no Campus de Cáceres, Preston recorreu a sua vinculação com a Espanha e com sua história, entre a que se situa a biografia que elaborou sob o título "Franco: Caudillo de España" ("Franco: Caudilho da Espanha").

Relatou que quando recebeu o encargo desta obra, tinha "a impressão de que a figura de Franco era tão tediosa, tão odiosa", que não lhe interessaria". Contudo, uma vez iniciada, se "enganchou", pois, entre outros motivos, "Franco era, pessoalmente falando, um enigma mas com aspectos bastante cômicos".

Seu discurso, seguido pelo reitor da UEx, Segundo Píriz, e o presidente da Junta de Estremadura, Guillermo Fernández Vara, entre outras autoridades, também serviu para conhecer sua relação com Estremadura, "uma terra" com a qual mantém "importantes laços pessoais e profissionais".
"Estremadura significa para mim a Guerra Civil e o sofrimento do povo espanhol"
De fato, sua relação com a Espanha começou nos fins dos anos 60, e "minha primeira viagem - revelou - foi a esta terra". Estremadura significa para mim a Guerra Civil e o sofrimento do povo espanhol", afirmou o historiador londrino, a quem em seu começo como historiador decidiu aproximar seus interesses pela Segunda Guerra Mundial pelo da Guerra Civil espanhola, a mercê do trabalho do professor Hugh Thomas.

"Pareceu-me mais fascinante" que qualquer outro tema que até então havia estudado, acrescentou, e que desvelou que o sentido do humor dos espanhóis e sua gastronomia foram elementos que influíram na hora de adentrar na História da Espanha.

Desde um prisma acadêmico, Presto assegurou que a UEx goza de uma "muito merecida e crescente reputação internacional, pelo qual é um privilégio poder se considerar uma pequena parte dela".

Píriz destacou a trajetória acadêmica "sólida e excelsa" de Preston, cuja obra qualificou como "extensa, profunda, influente e sugestiva". "Repassa de maneira crítica e fundada o devir de todo um século da vida na Espanha", acrescentou.

Na sua concepção, "os espanhóis de hoje estão em dúvida com seu retrato de nosso imediato passado". Também o presidente estremenho disse palavras de elogio para Preston, "um mestre dos historiadores", um conhecedor "dos sofrimentos desta terra e também os esforços que se há feito por aqui pela recuperação da memória histórica". "Estamos convencidos de que a melhor maneira de recuperar a história é contá-la", acrescentou Vara.

Fonte: Público/EFE (Espanha)
http://www.publico.es/politica/preston-franco-pensaba-mundo-regido.html
Título original: Preston: "Franco pensaba que el mundo estaba regido por un superestado masónico"
Tradução: Roberto Lucena

domingo, 22 de novembro de 2015

Só para registro, sobre fakes de novo, surreal

Como não tenho a menor intenção em me aborrecer depois, caso alguém comentando anonimamente ou com fakes fique usando textos do blog de forma indevida, mais precisamente cópia de comentário opinativo em parte de um texto (copiando comentários, opinião, algo desnecessário) pra tentar provocar "revisionistas" e afins, pois dessa vez o trecho copiado não foi de conteúdo traduzido (algo que não faço a menor questão que usem, os textos com conteúdo traduzido estão públicos, os posts só com conteúdo histórico sem opinião podem ser usados desde que apontem o local de origem do texto, é uma condição). Reconheci fácil a cópia pois se fui eu que escrevi o texto original eu reconheço fácil caso eu leia em outro canto.

Eu fiz questão de alertar no blog que a mensagem deixada (anônima) de que não era minha (sobre Netanyahu, deste post, e o cidadão até adaptou palavras pra não identificarem o post original), embora já tenha alertado isso aqui (mas o formato do blog não ajuda a saberem do problema quando o post fica velho, a menos que ele seja fixado), até porque, como disse aqui várias vezes (bastam ler os avisos do blog), se eu quiser comentar algo, comento com o perfil, não preciso de A ou B pra falar por mim, tampouco deixar mensagem anônima usando algo opinativo num texto.

Caso alguém queira ler, clique na tag "trolls" (link acima) ou veja diretamente neste post um dos avisos:
No Reino da Fantasia dos Trolls "Ocultos" (dezembro de 2013).

Dois anos ou mais de alertas e a pessoa (que deve ser a mesma) continua com a mesma postura cretina, irracional. Coisa de irracional mesmo, não é normal um negócio desses.

Eu acho que não ligaria se fosse um "revi" a atacar, porque não espero nada de bom desse pessoal, por isso que nunca me aborreci com algo que atacam, nesse ponto eles são coerentes com o que pregam. No Orkut quem muitas vezes provocava esse tipo de ataque era o pessoal ligado a grupos pró-Israel. Hoje dá pra visualizar melhor a coisa. Atacam e depois enfiam o rabo entre as pernas.

Havia muito desses problemas no Orkut, que fechou por conta dessas coisas.

Como disse, quem vem fazendo isso não é "revi", e não é um papel "louvável" agir dessa forma.

É uma tremenda cretinice (já ressaltei isso antes) o ato. Se esse pessoal tem medo dos "revis" a ponto de só comentar como anônimo, deveriam parar de bater boca com eles. É fácil ser "valente" anônimo, é o que se pode chamar de "valentia" de frouxos, mas isso é ridículo. Querem provar o quê com o gesto? Que são cretinos como o "revisionismo"? Pois é o que estão fazendo.

O que acho também ridículo é alguns "revis" liberam mensagens de fakes/anônimos pra insinuar que A ou B faz isso quando eles deixam propositalmente a coisa passar pra movimentar a "discussão" (entre aspas). Neste ponto estão sendo incoerentes pois só deveriam deixar passar mensagens de alguém com perfil fixo.

Este post não é uma crítica ao blog onde vi esta mensagem anônima mas é que já vi essa postura em outros blogs, e é no mínimo incoerência usar esse tipo de comentário anônimo. Se liberam então parem de ficar insinuando que é A ou B, se liberam é porque gostam do achincalhe e provocação, assumam isso em vez de querer posar de "vítimas" ou cortem esse tipo de comentário.

Como disse acima, não é uma crítica ao blog de Portugal pois, independente de divergência ideológica, cada lado, dentro do possível, respeita-se, mesmo ocorrendo discussões mais acirradas no passado. Dificilmente, ou muito raramente, levo alguma discussão sobre política pro lado pessoal, exceto se houver algum ataque pessoal grave. Mas mesmo discussões e troca de farpas numa discussão podem ocorrer, quem for se "doer" com isso (levar tudo pro lado pessoal), não discuta.

Havia dois blogs de Portugal que discutiram com este blog, só um está ativo e o outro parado, mas os donos dos blogs comentavam/comentam com seus perfis, que é o certo. Neste ponto nunca houve qualquer motivo de queixa a esses blogs.

Causa perplexidade entender o que se passa na cabeça de uma pessoa pra ficar fazendo esse joguinho de "gato e rato" achando que alguém vai cair nesse tipo de pilha. Não pretendo fazer outro post sobre isso, se for o caso, fixo este post no topo pra servir de alerta. Quem acessar o blog lerá e identificará fácil quem fizer.

Este blog aqui já recebeu mensagem anônima, na única vez que liberei a opção e retirei depois dessas mensagens, e eram sempre com o mesmo intuito: gente que entra nos sites (blogs) "revis" pra bater boca com os "revis" e não aguentam o tranco da discussão, provocação. Tomam algum toco e começam a apelar. Ficam querendo fazer denuncismo, discutir besteira etc.

Pra quem vê essas discussões com fakes/anônimos, não há diferença alguma desse tipo de postura pra postura de vários "revis".

Outro ponto central do problema é que os assuntos racismo, antissemitismo, segunda guerra etc são algo sério, não são pra alguma "boa alma" posando de "justiceiro" tentar "trollar" "revis" de forma pueril. Isso só faz aumentar o discurso de ódio nesses cantos e é algo perigoso, pois ódio mata. Ódio se propaga, é irresponsável e inconsequente esse tipo de provocação. Se quer fazer isso não tente colocar outros que não participam no meio da "peleja", isso é canalhice. Não é porque convirjo em algo com alguém que sou obrigado a concordar com esse tipo de impostura e outros posicionamentos políticos dessas pessoas. O mundo pegando fogo e gente no país fazendo essa cretinice dos tempos do Orkut.

Se alguém está com nostalgia/saudosismo do Orkut, sinto informar: aquele site morreu e algo do tipo não aparecerá de novo. Graças a esse tipo de comportamento.

Uma parte da população no país, por completa falta de educação, etiqueta (é uma generalização, não é o povo inteiro do país obviamente, mas uma parte considerável permitiu essa bandalheira naquele site, e mesmo no Facebook o "nível" segue o mesmo patamar, só que de forma mais isolada) não soube se comportar naquela rede levando a mesma ao colapso (por conta desse mau comportamento). Quem perdeu com o mau comportamento? O Google não foi.

Emporcalharam a rede e judicializaram a mesma, coisa que a gente não via na internet antes da ascensão do Orkut.

Se a gente fosse dizer isso no Orkut, em algumas comunidades de Orkut com aquele sendo repressor com desculpa de "politicamente correto", davam piti porque esse tipo de comentário "soa" "elitista" e coisas do tipo, mas é verdade, emporcalharam a rede e não estão ajudando o povo passando a mão na cabeça do que fazem de errado. Não sou contra a inclusão digital, a única forma de democratizar o país e o mundo se dará por isso, mas não pode virar a zona que virou no Orkut, e não foram só os trolls que provocaram o problema. O pessoal permissivo foi peça-chave na propagação desse comportamento repulsivo, como o próprio Google ao não coibir o problema achando que isso gerava mais acessos ao site (foi pra vala o Orkut, o Google+ tá indo pelo mesmo caminho, o Facebook é outro que já embarcou nessa).

"Bela" "contribuição" que esse pessoal "justiceiro" "troll" deu à liberdade de discussão na rede. Patotas estúpidas só fazem besteira mesmo.

Eu vi quando começaram a propagar o discurso de ódio no Orkut, um dos principais responsáveis por isso adivinhem quem foi? Os ditos "justiceiros" de internet, que a própria PF esculachava em matérias (acho que coloquei links nos posts antigos), MP etc. Só pra ilustrar o problema, matéria de 2007, no auge dessa bandalheira naquela rede do Google:
Justiceiros do Orkut: heróis ou criminosos?

A matéria pega até leve quando deveria atacar pesado a conduta. Logo nos primórdios da internet, algumas listas na Undernet ou Usenet (citando de memória, fui ver e foi na Usenet e BBS) foram emporcalhadas e quase destruídas por conta de trolls discutindo. A solução? Banir totalmente os trolls.

O próprio IRC (antecessor do Orkut) vinha/vem (pois deve funcionar ainda) com recursos pra banir trolls e afins pra que não criassem o caos no ambiente e destruíssem o mesmo, justo por essa experiência que tiveram na Undernet.

O problema do Orkut é que pegou a inclusão digital no país, com um povo não habituado ao ambiente digital e que achava que isso era a extensão do comportamento turvo que possuem. Deu nisso uma vez que houve um comportamento de permissividade na maioria das comunidades do Orkut, confundido com "defesa da liberdade de expressão". Os trolls venceram a peleja, destruíram tudo, discussão etc, pois as pessoas sãs acabam saindo desses ambientes conturbados, por falta de segurança causada pelos trolls.

Ou seja, esses "heróis" (entre aspas), em vez de ajudar no problema só faziam apagar o rastro dos delinquentes naquele site, fora o clima de terror e insegurança que propagavam com as brigas e ameaças, que também são crimes. Por isso são chamados de "justiceiros", pois são foras da lei, fora a profunda ignorância de vários deles. Como alguém vai se posicionar contra o nazismo sem nem saber o que é nazismo ou fascismo? Ou com um comportamento de delinquente?

Quem deixa esse tipo de comentário, aparentemente, não se trata nem de um "revisionista" e sim alguém que melindra fácil com o tema Holocausto e fica com aquelas defesas insanas do mesmo, misturando o assunto com questões do Oriente Médio, posicionamento sectário de direita, movido por algum fanatismo religioso.

Que a pessoa queira defender o que quiser e crer no que quiser, direito de cada um, mas já tentar me colocar no meio desse 'melindre' ou "cruzada pessoal" é algo que não aceito em hipótese alguma. Haja por sua própria conta sem me pôr no meio ou qualquer um aqui nisso. Já começa errado a postura de escrever como anônimo.

Que comente por si sem fazer esse joguinho ridículo que já critiquei aqui antes, e pensei (até porque leem esse blog mesmo sem comentar) que já haviam parado com essa babaquice.

Quem faz isso só faz aumentar o azedume dos "revis" (dar algum pretexto pra discutirem, embora até eles já estejam ficando de saco cheio desse bate-boca com gente anônima, mesmo deixando comentarem achando que isso "embala" os "debates") uma vez que esse assunto ("revisionismo") perdeu o "impacto" inicial que teve no país (perdeu o status de novidade e também porque a agenda do mundo hoje é outra).

Ou seja, se a ideia da pessoa que faz os comentários é a de "combater" os "revis", só está fazendo papel de bobo da corte (na melhor das hipóteses) pra eles uma vez que pra comentar com comentário anônimo passa a impressão de que morre de medo deles.

Eu só comento com este perfil ou o que uso no Holocaust Controversies, ou deixando claro que sou eu, se alguém comentar anônimo, que os sites "revis" se responsabilizem por isso (se quiserem, pois uma vez que foram alertados e permitem, são coniventes com a coisa que supostamente "condenam", eu não ligo pra briga desse pessoal, só não quero ficar em fogo cruzado de idiotas) e que fique claro que não é ninguém daqui do blog.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

'Descendentes precisam saber que história da África é tão bonita quanto a da Grécia'

Quando começou a se interessar pela história da África, o poeta, diplomata e historiador Alberto da Costa e Silva ouviu: "Por que você, um diplomata, um homem tão letrado, não vai estudar a Grécia?"

Justamente porque todo mundo estudava a Grécia, explica, ele resolveu estudar a África. Hoje, é o principal africanólogo brasileiro, autor de clássicos como A Enxada e a Lança: a África antes dos Portugueses e A Manilha e o Libambo: a África e a Escravidão, de 1500 a 1700. E, aos 84 anos, prepara um novo livro para completar sua trilogia sobre história africana.

Formado em 1957 pelo Instituto Rio Branco, Costa e Silva serviu em vários países e foi embaixador na Nigéria. É membro da Academia Brasileira de Letras, autor e organizador de mais de 30 livros. Por sua obra, recebeu em 2014 o Prêmio Camões, o mais prestigiado da língua portuguesa.

Filho do poeta piauiense Antônio Francisco da Costa e Silva, nasceu em São Paulo e viveu no Ceará até aos 12 anos, quando mudou-se para o Rio de Janeiro. Cresceu entre livros e costuma dizer que, como no verso do poeta francês Charles Baudelaire (1821-1867), seu berço "ao pé da biblioteca se estendia".

Foi entre livros, quadros e esculturas, no apartamento em que guarda lembranças de vários lugares do Brasil e do mundo, que ele recebeu a BBC Brasil às vésperas do Dia da Consciência Negra para falar da história do continente pelo qual se apaixonou.

BBC Brasil: Como o Brasil aprendeu a história da África?

Alberto da Costa e Silva: A história da África durante muito tempo foi uma espécie de capítulo de antropologia e etnografia do continente africano. Eram livros que árabes e europeus escreveram sobre suas viagens. Data do fim da Segunda Guerra Mundial a consolidação a história da África como disciplina à parte, semelhante à história da Idade Média europeia, ou à história da China.

Entre 1945 e 1960 seu estudo começa a ganhar grandes voos, tanto na África quanto na Europa, sobretudo Inglaterra e França. Curiosamente o Brasil esteve ausente disso. Os historiadores brasileiros sempre viam a história das relações Brasil-África com a África figurando como fornecedora de mão de obra escrava para o Brasil, como se o africano que era trazido à força nascesse num navio negreiro.

Era como se o negro surgisse no Brasil, como se fosse carente de história. Nenhum povo é carente de história. E a história da África é uma história extremamente rica e que teve grande importância na história do Brasil, da mesma maneira que a história europeia.

De maneira geral, quando se estuda a história do Brasil, o negro aparece como mão de obra cativa, com certas exceções de grandes figuras, mulatos ou negros que pontuam a nossa história. O negro não aparece como o que ele realmente foi, um criador, um povoador do Brasil, um introdutor de técnicas importantes de produção agrícola e de mineração do ouro.

BBC Brasil: O senhor poderia citar alguns exemplos?

Costa e Silva: Os primeiros fornos de mineração de ferro em Minas Gerais eram africanos. Fizemos uma história de escravidão que foi violentíssima, atroz, das mais violentas das Américas, uma grande ignomínia e motivo de remorso. Começamos agora a ter a noção do que devemos ao escravo como criador e civilizador do Brasil.

Quando o ouro é descoberto em Minas Gerais, o governador de Minas escreve uma carta pedindo que mandassem negros da Costa da Mina, na África, porque "esses negros têm muita sorte, descobrem ouro com facilidade". Os negros da Costa da Mina não tinham propriamente sorte: eles sabiam, tinham a tradição milenar de exploração de ouro, tanto do ouro de bateia dos rios quanto da escavação de minas e corredores subterrâneos. Boa parte da ourivesaria brasileira tem raízes africanas.

Tenho a impressão de que todos temos dentro de cada um de nós um africano. Podemos não ter consciência disso, mas é permanente.

Temos de estudar o continente africano não como um capítulo à parte, um gueto. A história da África está incorporada à história do mundo, porque ela foi parte e é parte da história do mundo. Que a história do negro no Brasil não seja isolada, como se o negro tivesse sido um marginal. O negro foi essencial na formação do Brasil.

BBC Brasil: Qual a importância de um personagem como Zumbi?

Costa e Silva: Havia um suplemento juvenil do jornal A Noite, sobre grandes nomes da história, e eu me lembro perfeitamente de um caderno sobre Zumbi. Zumbi está aliado de tal maneira à ideia de liberdade que é difícil escrever sobre ele sem ser apaixonado.

Zumbi não é um nome, é um título da etnia ambundo, significa rei, chefe. Palmares era como um Estado africano recriado no Brasil. Na África era muito comum isso. Em torno de um núcleo de poder forte se aglomeravam vários povos e formavam um novo povo. Isso é uma hipótese.

BBC Brasil: O senhor vê um aumento do interesse dos brasileiros pela questão negra?

Costa e Silva: Tenho a impressão de que todos temos dentro de cada um de nós um africano. Podemos não ter consciência disso, mas é permanente. Há naturalmente hoje em dia uma percepção mais nítida do que é a África, a escola começa a dar uma visão mais clara.

Mas ainda apresenta visões distorcidas. Uma vez uma professora veio me dizer que era absurdo que apresentássemos Cleópatra como uma moça branca, quando ela era negra. É um equívoco isso. Cleópatra não era negra nem mulata. Era grega. Os Ptolomeus, uma dinastia grega, governavam o Egito e não se misturavam.

BBC Brasil: Na África também havia escravos, não?

Costa e Silva: Escravidão houve em todas as culturas no mundo. Todos nós somos descendentes de escravos. Houve escravidão em toda a Europa, na Indonésia, entre os índios americanos, na Inglaterra. Na África havia todos os tipos de escravidão, e até hoje em certas regiões africanas os descendentes de escravos são discriminados. Quase toda a África teve escravidão.

A escravidão transatlântica, da África para as Américas, a nossa, tem uma diferença básica: pela primeira vez era uma escravidão racial. Era um especial aspecto da perversidade dela. No início não, mas a partir de certo momento, passa a ser exclusivamente negra. Foi o maior deslocamento forçado de gente de uma área para outra que a história já conheceu, e o mais feroz.

Acho que tem de haver cota em tudo. Se você vai se candidatar a um cargo de atendente de hotel de primeira classe, se você for negro, você tem dificuldade.

O Brasil foi o último país das Américas e do Ocidente a abolir a escravidão. O último do mundo foi a Mauritânia (na África), em 1981.

BBC Brasil: Como analisa o racismo hoje no Brasil?

Costa e Silva: Existe racismo, e muitíssimo. No nosso racismo, não temos um partido racista, mas temos repetidas manifestações de racismo no seio da sociedade. É dificílimo, para um negro, ascender socialmente. A discriminação se exerce de forma muitas vezes dissimulada, mas que os marca muito. Mas está mudando. Sinto mudanças.

É importante que os descendentes de africanos saibam que eles têm uma história tão bonita quanto a história da Grécia. Que eles não eram bárbaros, que não são descendentes de escravos. São descendentes de africanos que foram escravizados.

Para mim o importante não é que haja cota na universidade. Acho que tem de haver cota em tudo. Se você vai se candidatar a um cargo de atendente de hotel de primeira classe, se você for negro, você tem dificuldade. O preconceito é discriminatório. Ele não impede você de usar o mesmo banheiro, o mesmo bebedouro, mas dificulta o acesso (do negro) às camadas das classes média e alta.

Fernanda da Escóssia
Do Rio de Janeiro para a BBC Brasil
20 novembro 2015

Fonte: BBC Brasil
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/11/151120_entrevista_historiador_fe_ab

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Estado Islâmico (EI) - Programa Canal Livre

Como vez por outra alguém aborda o assunto, por alguns sempre associarem a temática da segunda guerra com Oriente Médio (na atualidade, não no período da segunda guerra), muitas vezes de forma inapropriada, seguem abaixo alguns vídeos de debate sobre o Estado Islâmico já que não dará pra colocar alguns textos no momento, a menos que alguém queira traduzir (algo que preste).

Eu diria que o vídeo principal pra assistirem, caso não queiram ver os demais pois os vídeos são longos, este vídeo é o do Canal Livre da TV Bandeirantes com o prof. Salem Nasser como convidado, só que o vídeo tá separado em quatro partes num servidor do UOL. Há mais de um debate em vídeo nos links, divididos em partes e mais três em vídeos inteiros. Caso alguém suba o vídeo inteiro pro Youtube (que estão divididos em links), removerei os links do UOL. Tem outro programa mas depois acrescento o link. Links:

Observação 1: removeram o primeiro vídeo inteiro (e aberto) que constava no Youtube e não há cópia disponível. Assistam os demais.

Não creio que o vídeo removido foi este (não lembro direito pois há mais de um), exibido provavelmente em novembro de 2015, só tem um trecho do debate, mas aparenta ser o sobre "Atentado na França" (mas há um debate anterior que foi cortado):
http://noticias.band.uol.com.br/canallivre/entrevista.asp?id=15724439&t=retrospectiva-2015---parte-6

Outro debate: Atentado na França - Parte 1
http://noticias.band.uol.com.br/canallivre/entrevista.asp?id=15678350&t=atentado-na-franca---parte-1
Atentado na França - Parte 2
http://noticias.band.uol.com.br/canallivre/entrevista.asp?id=15678355&t=atentado-na-franca---parte-2
Atentado na França - Parte 3
http://noticias.band.uol.com.br/canallivre/entrevista.asp?id=15678357&t=atentado-na-franca---parte-3
Atentado na França - Parte 4
http://noticias.band.uol.com.br/canallivre/entrevista.asp?id=15678358&t=atentado-na-franca---parte-4

Segue abaixo outros vídeos que considerei interessante sobre o tema já que o povo (generalizando) prefere ver vídeos que ler.

Programa antigo/anterior (TV Bandeirantes): Canal Livre - O Estado Islâmico
https://www.youtube.com/watch?v=xhlW18-W3p0


Estado Islâmico - TV e Rádio Unisinos
https://www.youtube.com/watch?v=LY2VBB6xCiM


Espaço Público recebe Salem Nasser - Espaço Público
https://www.youtube.com/watch?v=5n0BzZ_I3Pk


Canal Livre debate os conflitos no Oriente Médio – parte 1
http://tvuol.uol.com.br/video/canal-livre-debate-os-conflitos-no-oriente-medio--parte-1-04024C9C346ED0913326
Canal Livre debate os conflitos no Oriente Médio – parte 2
http://videos.bol.uol.com.br/video/canal-livre-debate-os-conflitos-no-oriente-medio--parte-2-04020C9C346ED0913326
Canal Livre debate os conflitos no Oriente Médio – parte 3
http://videos.bol.uol.com.br/video/canal-livre-debate-os-conflitos-no-oriente-medio--parte-3-04020E18356ED0913326
Canal Livre debate os conflitos no Oriente Médio – parte 4
http://tvuol.uol.com.br/video/canal-livre-debate-os-conflitos-no-oriente-medio--parte-4-0402CC9C346ED0913326
Canal Livre debate os conflitos no Oriente Médio – parte 5
http://videos.bol.uol.com.br/video/canal-livre-debate-os-conflitos-no-oriente-medio--parte-5-04028C9C346ED0913326

Observação 2: mas não menos importante. Só uso o termo "ISIS" quando alguém tem problema de entender a sigla EI, que é a correta em português, "ISIS" é mais outro anglicismo que a mídia brasileira impõe (ou tenta impor) por estupidez, macaquice. Não há necessidade alguma do uso desse anglicismo. É vergonhoso ver 'jornalistas' não usando o idioma oficial do país quando existe tradução do termo.

domingo, 15 de novembro de 2015

Hilmar Wäckerle, primeiro comandante de Dachau

Hilmar Wäckerle na batalha de
Grebbeberg, Países Baixos. Original
de waroverholland.nl
Hilmar Wäckerle nasceu em 24 de novembro de 1899 em Forchheim, no norte da Baviera. Aos catorze anos, já começava a Grande Guerra, entrou na escola de oficiais do exército bávaro. Depois de três anos, antes de completar os 18, foi destinado ao regimento de infantaria da Bavária nº2, "Príncipe herdeiro" em agosto de 1917, um dos regimentos mais prestigiados (e com maior índice de baixas) do antigo Reino da Bavária.

Em setembro de 1918, o alferes (Fähnrich) Wäckerle foi ferido gravemente. Recuperou-se do armistício no hospital, longe do front, compartilhando desta forma a mesma experiência de Hitler. No pós-guerra, depois de ingressar no Freikorps Oberland, de 1921 a 1924, estudou engenharia agrícola na Universidade Técnica de Munique, ainda que não consta se se relacionou com quem fora seu condiscípulo de 1919 a 1922, Heinrich Himmler, um ano mais jovem. Hilmar também ingressou no NSDAP um ano antes que Himmler, mas deixou de pagar as cotas e se distanciou da política ao terminar seus estudos. Não solicitou ingressar na SS até 1929, quando Heinrich já era seu Reichsführer. Depois de dois anos de teste, foi admitido como SS-Mann com o número 9.729. Também voltou a ingressar no NSDAP em 1 de maio de 1931, com o número de 500.715. Hilmar nesses momentos era administrador de uma propriedade agrícola em Kempten. Seu irmão, Emil, também era membro da SS.

Em fevereiro de 1933, com Hitler recém nomeado chanceler em 30 de janeiro, Wäckerle chega a SS-Hauptsturmführer (capitão). Em março, Freidrich Jeckeln, chefe da SS do sul da Alemanha, nomeia-o comandante do primeiro campo de concentração da SS, em Dachau. Desde 30 de janeiro, por toda a Alemanha proliferou todo tipo de cárceres "selvagens", casas ou prisões onde Gauleiters (chefes do partido) e grupos da SA detinham e torturaram seus inimigos políticos. Nesses momentos o cargo oficial de Himmler é o de chefe da polícia da Bavária, e decide criar um grande campo centralizado para "reeducar" esquerdistas e inimigos do Estado. A desculpa é o incêndio do Reichstag, que se supõe a um chamamento de um levante comunista. Na realidade quem se levanta são os homens do NSDAP, com o apoio de outros grupos de extrema-direita, como o Stahlhelm.

A primeira denúncia contra Hilmar Wäckerle, como comandante de Dachau, foi feita por Sophie Handschuch pela morte de seu filho. Outros prisioneiros que morreram nesses primeiros dias foram o doutor Rudolf Benario, Fritz Dressel, Sepp Götz, Ernest Goldmann, Arthur Kahn e Erwin Kahn, além de Karl Lehrburger e Wilhelm Aron, judeus. A promotoria também determinou que Herbert Hunglinge havia se suicidado por não poder aguentar as condições de sua reclusão. Em maio, as investigações do promotor se ampliaram para as mortes de Sbastian Nefzger, Leonard Hausmann, o doutor Alfred Strauss e Louis Schloss, esses dois últimos, judeus.

Supõe-se que Himmler destituiu Hilmar Wäckerle de seu cargo em Dachau por todas essas mortes, ainda que só o fez pra manter as aparências. Também é possível que influíra que se conseguisse fugir um deputado comunista, que publicou em agosto o primeiro escrito sobre a vida e morte nos campos de concentração da Alemanha. De todas as formas, Wäckerle foi elevado a SS-Sturmbannführer (comandante) em 01 de março de 1934, menos de um ano depois de sua destituição em Dachau.

Desenvolveu o resto de sua carreira na Waffen-SS, e teve seu momento de glória na invasão dos Países Baixos, em maio de 1940, ao comando do III batalhão do regimento Der F6uhrer. Disfarçou seus homens com uniformes holandeses para tomar pontes de surpresa, e utilizou prisioneiros de guerra como escudos humanos. Estima-se que uns cinquenta prisioneiros holandeses morreram por este tipo de tática. Foi ferido duas vezes, e ainda que fora indicado para a cruz de cavalheiro da cruz de ferro, teve que se conformar com a cruz de ferro de 1ª classe.

Morreu numa emboscada no começo da Barbarossa, no comando da SS-Infanterie-Regiment Westland, da SS-Division (mot) Wiking próximo da atual Lviv, Ucrânia (Lemberg para os alemães, Lvov para os poloneses), em 2 de julho de 1941. Sua morte desencadeou um pogrom em 9 de julho na zona, no qual soldados de sua unidade mataram a uns 600 judeus.

Notas:

1. Tom Segev: Soldiers of Evil, Berkley Books, 1991, pg. 64-68
2. George H. Stein, Las Waffen-SS, pg. 272
3. Richard Rhodes, Los amos de la muerte. Los Einsatzgruppen y la solución final, Seix Barral pg. 109-111
4. A descrição mais detalhada do massacre para vingar sua morte, em Pontolillo, pg. 162
5. Site: http://www.waroverholland.nl/index.php?page=chapter-11---myth-and-reality

Fonte: Blog Antirrevisionismo (Espanha)
https://antirrevisionismo.wordpress.com/2015/11/14/hilmar-wackerle-primer-comandante-de-dachau/
Título original: Hilmar Wäckerle, primer comandante de Dachau
Tradução: Roberto Lucena

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

[OFF] Ajuda à Mariana e região (Minas), no mar de lama da Vale (mineradora)

Caso alguém consiga ou saiba números de ajuda pros desabrigados de Mariana e região em Minas e puderem colocar os links nos comentários eu agradeço, mas peço que sejam números da Defesa Civil e só de entidades do Estado não ligados a essas duas empresas fruto das Privatizações do PSDB nos anos 90.

Não falarei na questão política por detrás dessa tragédia (na verdade um crime) pois o post não é pra isso, mas não dá pra não sentir raiva (repulsa) vendo as imagens da devastação provocada pela irresponsabilidade (negligência) e descaso da antiga Vale do Rio Doce privatizada a preço de banana (ao preço de dois Youtubes) na época da privataria no país. Surreal o roubo de minérios do país extraídos a toque de caixa e a forma como estavam extraindo isso, com explosão perto de barragens, fora o completo descaso na extração disso com cidades e povoados ao redor. O caso é totalmente absurdo e repulsivo. Que o Estado brasileiro haja com mão de ferro contra essas mineradoras frutos da privataria, e se esse país não fosse um país com uma parcela da população totalmente imbecilizada pela mídia era caso pra abrir uma CPI urgente sobre as privatizações no país e toda a patifaria por detrás disso, sem apuração até hoje. Tragédia é forma de falar, não foi uma tragédia, foi um crime e os responsáveis deveriam ser punidos severamente.

Parte da mídia tá fazendo vista grossa ao caso pra proteger a companhia Vale, Samarco e BHP-Billiton (Austrália), o grosso das notícias chegam pela internet (imagens etc), por isso que boa parte da população do país não tem dimensão da desgraça produzida por um rompimento de barragem.

E a empresa envolvida ainda faz uma palhaçada dessas, pra tentar abafar o caso, é muita cara de pau:
Página no Facebook apoiando a Samarco gera revolta em internautas

Das outras vezes que houve algum problema pesado eu conseguia achar os números de ajuda fácil e coloquei nos posts (mais de um, do Haiti, chuvas no interior do Rio etc), mas não consegui achar números de telefone da defesa civil pra colocar no post, pois há um amontoado de matérias onde dá destaque pra "ajuda" (entre aspas) dessas companhias, mas só interessa aqui os números locais e do Estado. Fica ao menos o post como registro dessa desgraça.

Vale e BHP foram displicentes e omissas, diz subprocuradora-geral da República

Atualização (dia 14.11.2015)

Onde prestar ajuda, finalmente fizeram essa publicação já que a Grande Mídia (Globo e afins) está desviando o foco do caso da Vale pra.
___________________________________________________________________

Tudo que você precisa saber para ajudar desabrigados de Mariana
http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/11/06/interna_gerais,705328/tudo-que-voce-precisa-saber-para-ajudar-desabrigados-em-mariana.shtml

Alimentos não perecíveis, água, colchões, toalhas, cobertores, roupas, produtos de limpeza e higiene pessoal são algumas opções de doações

O rompimento das barragens do Fundão e Santarém, da Mina do Germano, propriedade da Samarco, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais, deixou muitos desabrigados, além de mortos e desaparecidos. Para ajudar as vítimas da tragédia a recomeçar, mineiros organizaram uma rede de solidariedade não apenas em Belo Horizonte, mas também em cidades do interior do Estado. As vítimas do tsunami de água e lama perderam além de suas casas, todos os pertences que tiveram que deixar para trás.

Vários locais em Belo Horizonte e outras cidades mineiras estão recolhendo donativos para enviar à Arena Mariana, complexo esportivo do município localizado no Bairro Vila Aparecida, onde as vítimas estão alojadas. Alimentos não perecíveis, água, colchões, toalhas, cobertores, roupas, produtos de limpeza e higiene pessoal são algumas opções de doações.

Quem souber de novos locais para doações, pode enviar as informações para o WhatsApp do em.com.br: (31) 98502-4023.

Confira os locais da rede solidária:

Belo Horizonte

- Chiara Pontelo, na Avenida Nossa Senhora do Carmo, 1825, em frente ao Supermercado Verdemar, até sábado

- Sede da Cruz Vermelha Brasileira – Filial Minas Gerais (CVB-MG), Alameda Ezequiel Dias, 427, Centro, na região hospitalar. Informações: (31) 3239.4211 ou (31) 3239.4223
Sugestão: Água mineral

- Arquidiocese de Belo Horizonte, Rua Além Paraíba, 208, Bairro Lagoinha, Região Noroeste

- O Bolão Santa Tereza, na Praça Duque de Caxias, 288, Bairro Santa Tereza

- Servas, Avenida Cristóvão Colombo, 683, Bairro Funcionários, das 7h às 19h
Não estão recebendo roupas, colchões e agasalhos!

- Loja do Bem, no Minas Shopping, na Avenida Cristiano Machado, 4000, Piso 1, Bairro União, das 10h às 22h, incluindo fim de semana

Mariana

- ICSA (Instituto de Ciências Sociais Aplicadas), Rua Catete, 166, Bairro Centro

- ICHS ( Intituto de Ciências Humanas e Sociais), Rua do Seminário, s/n, Bairro Centro

- Para doações fora do município a Prefeitura de Mariana disponibiliza uma conta bancária no Banco do Brasil através do CNPJ: 18.295.303/001-44, Agência: 2279-9, Conta Corrente: 10.000-5

- Centro de Convenções Alphonsus Guimaraens, Rua Getúlio Vargas, s/n, Centro

Ouro Preto

- República Doce Veneno – Endereço: Rua Argemiro Sanna, 21 – Bairro Barra. Telefone: 31 3551-3816

- República Snoopy – Endereço: Rua Conde de Bobadela ( Rua Direita), 159 – Bairro Centro. Telefone: 31 3552-2859

- República Palmares – Endereço: Campus Universitário, 4º ala, casa C – Bairro: Vila Operária. Telefone: 31 3551-3372

Congonhas

- Rotary Club, Rua Marquês do Bonfim, 197, Bairro Praia, a partir de segunda-feira, de 10 às 21 horas

Itabira

- Posto de coleta de Donativos no Bela Camp, na Avenida Carlos de Paula Andrade, entre os bairros Bela Vista e Campestre

Barbacena

- Sede da Defesa Civil, que fica no prédio da 13ª Região da Policia Militar

São João Del Rey

- Prefeitura de São João Del Rei, Coreto da Avenida Tancredo Neves, das 8h às 17h de sábado

- Secretaria de Cidadania, Desenvolvimento e Assistência Social, na Rua Salomão de Souza Batista, 10, de segunda e sexta-feira, das 8h às 17h

- Secretaria de Cultura e Turismo, na Praça Frei Estevão, de segunda e sexta-feira, das 8h às 17h

- Campus da Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) Santo Antônio, Dom Bosco e CTAM, de segunda e sexta-feira, das 8h às 17h

Juiz de Fora

- Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF): campi Academia, na Rua Halfeld 1.179, Centro; Arnaldo Janssen, na Avenida Luz Interior 345, Bairro Estrela Sul), Verbum Divino, na Avenida Rio Branco 3.520, Centro) e no Seminário Santo Antônio, na Avenida Rio Branco 4.516, Centro

Acaiaca

- Prefeitura de Acaiaca, na Praça Tancredo Neves, 35
Sugestões: Roupas, alimentos, colchões

Rio de Janeiro

-Palácio Maçônico do Lavradio
Rua do Lavradio, 97, centro, Rio de Janeiro
Estacionamento no local
9 e 10 de novembro das 10h ás 20h
11 de novembro até as 12h (saída dos caminhões)

CONSULTORIA JURÍDICA

Consultoria Golçalves oferece consultas e apoio jurídico para todas as vítimas da tragédia em Mariana, especialmente por meio da Dra Valéria Aparecida Silva (nativa de ouro Preto), e Dr Márcio Golçalves (ex-aluno da República Arte & Manha)
Telefones: (31) 996087137 (27) 32225354 (27) 988773545
Email:contato@consultoriagoncalves.com.br
Site: www.consultoriagoncalves.jur.adv.br

Pela internet

Também é possível ajudar sem sair de casa. Um crowdfunding foi criado no site juntos.com.vc para arrecadar recursos para as famílias atingidas. Para contribuir basta entrar no site e doar qualquer quantia a partir de 20 reais. A verba será enviada para a prefeitura de Mariana.

O aplicativo Uber também se colocou à disposição para recolher donativos nas casas dos usuários durante o fim de semana. Quem quiser doar artigos como água, escovas de dente, toalhas de banho, copos, talheres e pratos descartáveis basta chamar um carro da companhia entre entre 10h e 15h de sábado e entre 10h e 17h de domingo.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Hitler era astuto, não tanto hipnótico, diz nova biografia alemã (Peter Longerich)

BERLIM (Reuters) - Uma nova biografia de Hitler escrita por um proeminente historiador alemão deve gerar controvérsias com seu argumento de que a perspicácia política do líder nazista foi subestimada e de que a crença de seu domínio hipnótico sobre os alemães é inflado.

O livro "Hitler", de Peter Longerich, que será publicado na segunda-feira é um tomo de 1.295 páginas que inclui material sobre os diários do chefe de propaganda nazista Joseph Goebbels e os primeiros discursos de Hitler.

"De modo geral, você tem uma imagem de um ditador que controlou muito mais, que era mais envolvido de perto em decisões individuais do que se pensava anteriormente. Eu quis colocar Hitler como uma pessoa de volta ao centro", disse Longerich em entrevista à Reuters.

Trabalhos recentes sobre o Terceiro Reich têm colocado mais ênfase nos climas social e político que levaram à ascensão do nazismo após a derrota na Primeira Guerra Mundial e as demandas de reparação incapacitantes.

Logo após a Segunda Guerra Mundial, os alemães agarraram-se na crença de que eles foram mantidos reféns de uma gangue criminosa liderada pelo carismático Hitler, empenhada em conquistar a Europa e exterminar judeus.

Longerich, professor da Universidade de Londres, argumenta que enquanto todas as políticas de Hitler e os resultados foram catastróficos, ele agiu de maneira inteligente em situações específicas.

"A questão de porquê ele conseguiu chegar tão longe precisa ser abordada: Obviamente ele tinha habilidade para explorar situações individuais em seu interesse próprio e para seus objetivos próprios", disse ele.

Mesmo suas políticas raciais foram em grande parte devido a um oportunismo político, disse Longerich, que não acha que Hitler era radicalmente anti-semita na sua juventude.

"Nos anos de 1919-1920 ele percebeu que poderia ser bem sucedido em política ao abraçar e incitar o antissemitismo", disse, acrescentando que isso virou elemento central apenas em 1930.

A habilidade de Hitler de tomar o poder é ainda mais impressionante dado que o estudante de arte nascido na Áustria era um "ninguém" sem ideologia até seus 30 anos. Apenas então, recusando-se a aceitar a derrota da Alemanha, ele foi levado ao recém-criado Partido Nazista.

Longerich também busca desmascarar a teoria de que Hitler tinha um carisma irresistível que cativou os alemães, argumentando que ela foi em grande parte construída artificialmente pela máquina de propaganda nazista, que bombardeou imagens de fãs extasiados em comícios.

O autor não exonera os alemães, dizendo que grande parte da população apoiou Hitler enquanto outros foram oportunistas em segui-lo, mas argumenta que havia uma tensão social e um descontentamento, por exemplo dentro da Igreja.

"Não seria lógico pensar que um país profundamente dividido como a Alemanha de repente se uniu por trás de uma pessoa e compartilhava de uma única visão política", disse Longerich.

Setenta anos após sua morte, as atitudes dos alemães em relação a Hitler ainda estão evoluindo, disse Longerich.

"Eu não acho que há qualquer entusiasmo por Hitler, mas estamos vendo tabus sendo quebrados", afirmou ele, citando filmes recentes sobre o ditador e um debate sobre a publicação "Minha Luta".

Com um crescimento de temores sobre o radicalismo de direita na Alemanha, por conta da crise dos refugiados, ele alerta que com uma atmosfera política "mais dura", "o potencial de uma figura política singular é um fator que não deve ser subestimado".

(Por Madeline Chambers)
sábado, 7 de novembro de 2015 11:01 BRST

Fonte: Reuters Brasil
http://br.reuters.com/article/entertainmentNews/idBRKCN0SW0GH20151107
Hitler was shrewd, not so hypnotic, new German biography says (Reuters, EUA)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget